Inflação entre idosos sobe e fica acima da taxa acumulada pelo IPC-BR

Na passagem do quarto trimestre de 2018 para o primeiro de 2019, taxa do IPC-3i passou de 0,80% para 1,49%.

Conjuntura / 11:19 - 10 de abr de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, registrou no primeiro trimestre de 2019, variação de 1,49%. Em 12 meses, o IPC-3i acumula alta de 5,37%. Com este resultado, a variação do indicador ficou acima da taxa acumulada pelo IPC-BR, que foi de 4,88%, no mesmo período.

Na passagem do quarto trimestre de 2018 para o primeiro trimestre de 2019, a taxa do IPC-3i registrou acréscimo de 0,69 ponto percentual, passando de 0,80% para 1,49%. Quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo habitação, cuja taxa passou de -0,89% para 1,46%. O item que mais influenciou o comportamento desta classe de despesa foi tarifa de eletricidade residencial, que variou 3,09%, no primeiro trimestre, ante -8,12%, no anterior.

Contribuíram também para o acréscimo da taxa do IPC-3i os grupos: saúde e cuidados pessoais (1,14% para 1,28%), transportes (-0,20% para 0,14%) e despesas diversas (0,31% para 0,69%). Para cada uma destas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: plano e seguro de saúde (1,99% para 1,91%), gasolina (-4,92% para -1,32%) e cartório (0,23% para 3,62%).

Em contrapartida, os grupos educação, leitura e recreação (2,85% para 1,09%), vestuário (1,46% para -0,32%) e comunicação (0,22% para 0,17%) apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, os maiores recuos foram observados nas taxas dos seguintes itens: passagem aérea (30,61% para -11,18%), roupas (1,73% para -0,18%) e tarifa de telefone residencial (-0,02% para -0,73%).

O grupo alimentação repetiu a taxa de variação de 3,49% registrada na última apuração. As principais influências partiram dos itens: laticínios (-6,91% para 1,56%), em sentido ascendente, e hortaliças e legumes (52,48% para 21,69%), em sentido descendente.

A próxima divulgação do IPC-3i, referente ao segundo trimestre acontecerá no dia 11 de julho.

 

Isenção do IR - Portadores de diabetes mellitus poderão conquistar o direito à isenção de Imposto de Renda sobre os proventos de aposentadoria ou reforma. O benefício está previsto no Projeto de Lei 585/2019, do senador Alvaro Dias (Pode-PR), aprovado hoje pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS). A proposta muda a Lei 7.713, de 1988, que dispõe sobre a legislação do Imposto de Renda, com efeitos no primeiro dia do ano seguinte à sua conversão em lei. O relator, senador Romário (Pode-RJ), considerou a medida importante para a promoção da saúde e aumento da qualidade de vida dos diabéticos no Brasil.

"Sem acesso aos serviços de saúde que o Estado tem o dever de oferecer, os diabéticos têm que recorrer a seus próprios recursos para custear o controle da glicemia e o tratamento das complicações, além de, muitas vezes, sofrerem a redução da sua capacidade laboral em função da doença", comentou Romário.

O projeto seguiu para análise final da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

 

Com informações da Agência Senado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor