Advertisement

Inflação aumenta acima do previsto na China

Beijing – Os dados inflacionários da China em julho superaram as expectativas do mercado mas permaneceram em um plano considerado...

Internacional / 10 Agosto 2018

Beijing – Os dados inflacionários da China em julho superaram as expectativas do mercado mas permaneceram em um plano considerado positivo, deixando espaço para a manobra da política monetária. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), o principal medidor da inflação, subiu 2,1% anualmente em julho, segundo informou o Departamento Nacional de Estatísticas (DNE) na quinta-feira.

O crescimento foi mais rápido que a taxa de 1,9% registrada em junho e a de 2% prevista pelo mercado, sendo o maior percentual desde março. O estatístico do DNE Sheng Guoqing atribuiu o crescimento à forte demanda de viagens durante as férias de verão.

Os preços das passagens aéreas, viagens e hospedagem aumentaram 14,5%, 7,9% e 2,2% respectivamente em termos mensais, mostraram os dados do DNE. Estes responderam por 0,19 ponto percentual de 0,3% de crescimento mensal do IPC.

Na base anual, os serviços médicos e de saúde subiram 4,6%, os pacotes turísticos 4,4%, enquanto o setor de educação e moradia aumentaram 2,8% e 2,4%, respectivamente.

O crescimento do IPC em julho bateu as expectativas do mercadou, de acordo com uma nota de pesquisa da China Merchants Securities, que também apontou a alta das despesas com viagens como o principal fator sazonal.

O banco de investimento asiático Nomura disse que a ascensão da inflação foi “principalmente conduzida pelo encarecimento de produtos não alimentares, que foram por sua vez causados pela alta no preço gasolina como resultado da já elevada cotação do petróleo bruto”.

Os preços de gasolina e diesel saltaram 22,7% e 25,1% em termos anuais em julho, mostraram os dados divulgados pelo DNE. Os preços de produtos não alimentares aumentaram 2,4% em termos anuais e subiram 0,3% na base mensal.

A China Merchants Securities previu que o aumento da inflação não persistiria no futuro, citando a baixa no preço da carne suína, a mais consumida no país, que continuou caindo em julho, uma queda de 9,6% em termos anuais. Em termos mensais, porém, registrou um aumento de 2,9%, um crescimento maior ante a alta de 1,1% em junho.

Apesar da recente recuperação, o preço da carne suína ainda baixará o crescimento do IPC anual em 0,2 ponto percentual, estima a China Merchants Securities.

A previsão de que a taxa de inflação mensal não excederá 3% neste ano foi mantida, deixando espaço para manobra da política monetária. As autoridades prometeram continuar exercendo uma política monetária prudente no segundo semestre deste ano ao aumentar o apoio a economia real.

A China pretende manter o crescimento anual do IPC em cerca de 3% este ano, mesma meta que estabeleceu em 2017. O crescimento anual médio do IPC de janeiro a julho ficou em 2%, segundo o DNE.

Os dados do DNE também apontaram que o índice de preços ao produtor (IPP), que mede a variação dos preços de fábrica dos produtos, subiu 4,6% anualmente em julho. Este crescimento levemente desacelerou em relação ao aumento de 4,7% em junho.

Agência Xinhua