Índice de reajuste dos planos de saúde é debatido em comissão

SEG NOTÍCIAS - 16.08: Índice de reajuste dos planos de saúde é debatido em comissão

Seguros / 16:36 - 16 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

 

A Comissão de Transparência e Defesa do Consumidor debateu ontem o reajuste dos planos de saúde. A audiência pública foi sugerida pelo presidente do colegiado, senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), que, conforme justificou em requerimento, considera importante compreender se há possíveis falhas regulatórias que estão prejudicando o consumidor, com as altas nos preços dos planos de saúde.

Participaram da reunião, representantes da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), de consumidores, de planos de saúde e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Nota Técnica emitida neste ano pela Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do Ipea apontou que a taxa utilizada para reajuste dos planos foi superior à taxa de inflação da economia.

Segundo o superintendente de Regulação da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Sandro Leal Alves, nos últimos 18 anos, o número de beneficiários idosos dos planos de saúde dobrou e o número de segurados com mais de 80 anos triplicou, o que justifica os preços praticados no setor atualmente.

A ANS define a metodologia de cálculo para o aumento nos valores dos planos individuais e familiares. O diretor-adjunto de Normas e Habilitação dos Produtos da Agência, Maurício Nunes da Silva, disse, justificando as altas nos preços, que é preciso olhar para os custos do setor, o aumento no número de procedimentos e as novas tecnologias. Para ele, não se pode definir reajuste de planos com base na inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA),

"É um equívoco, porque o IPCA é um índice de preços, ele mede variação de determinado produto que compõe determinada cesta. Então, na cesta do IPCA tenho transporte, moradia, escola, e o que ele mede ali é uma variação de preço comparando o momento A com o momento B."

No entanto, o economista Carlos Octávio Ocké-Reis, do Ipea, lembrou que a inflação do setor saúde é menor do que os reajustes praticados pelos planos.

O senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), que teve a iniciativa da audiência, disse que o consumidor se sente confuso, "não consegue compreender quando sai no noticiário informando que no mês passado foi o menor reajuste dos últimos anos, 7 e poucos por cento". Para o senador, 80% das pessoas não têm reajustes salariais na mesma proporção.

Rodrigo Cunha concluiu, afirmando que alguns setores da economia podem e devem ser autorregulados, mas que esse não deveria ser o caso dos planos de saúde.

.

Pesquisa revela que mais de 1/3 dos homens brasileiros não vão ao médico anualmente

O homem brasileiro cuida pouco de sua saúde. Esse é um dos resultados da pesquisa "Um Novo Olhar para a Saúde do Homem", realizada pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, com o apoio da farmacêutica Astellas Farma Brasil. Os resultados do estudo foram divulgados em evento aberto que leva o mesmo nome da pesquisa realizado em 14 de agosto no Complexo Aché Cultural, em São Paulo. A pesquisa ouviu mais de 2.400 homens entre junho e julho de 2019, e traz um panorama que permite vislumbrar avanços e desafios na adoção de um estilo de vida saudável, no acesso ao médico e ao sistema de saúde, na realização de exames e na adesão a cuidados importantes, particularmente, no contexto da doença cardiovascular e do câncer de próstata.

"A pesquisa traz um recorte relevante sobre a percepção do brasileiro em relação ao tema e uma luz para que todos nós envolvidos - profissionais de saúde, governo, pacientes e entidades de saúde - possamos propor e criar políticas públicas capazes de melhorar a qualidade de vida da população masculina", explica Marlene Oliveira, fundadora e presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida.

Quando o foco da pesquisa é o câncer de próstata, apesar de o urologista ser visto pela maioria dos participantes (37%) como o médico do homem, 59% não costumam ir a esse profissional. Na leitura por faixa etária, o uso da rede pública ou privada e região, chama a atenção que quase metade do público com 40 anos ou mais não tem o hábito de ir ao urologista e o percentual se eleva para 58% entre os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e para 54% no Sul do Brasil.

O levantamento ainda mapeia a presença de sintomas que podem demandar a consulta com o especialista: 48% dos homens relatam ter de urinar várias vezes ao dia; 37% apontam gotejamento; 30%, necessidade de ir duas ou mais vezes ao banheiro à noite; 22%, perda de desejo sexual; e 20%, problemas de ereção. Há uma oportunidade e necessidade de aproximar mais o paciente do urologista - e vice-versa.

Os entrevistados demonstram conhecimento sobre o câncer de próstata, mas ainda não estão esclarecidos sobre alguns pontos: 54% concordam ou não sabem dizer que o exame de PSA é suficiente para detectar a doença e 75% discordam ou ignoram que o rastreamento em negros deve começar mais cedo. Ainda que 25% dos respondentes apontem ter um familiar próximo já diagnosticado, 36% dos participantes com 50 anos ou mais não costumam ir ao urologista — 10% nunca realizaram o PSA e 35% nunca passaram pelo toque retal. Os números pioram no contexto do SUS. O principal motivo apontado para não se submeter aos exames é a falta de indicação por um médico. Informação e acesso são as peças-chave para melhorar esse cenário. "A pesquisa Um Novo Olhar para a Saúde do Homem traz informações ricas para ajudar a entender o que os homens sabem e fazem em relação à saúde. Dados que poderão nortear condutas e estratégias para os brasileiros cuidarem mais da sua saúde", explica Roberto Soler, Diretor Médico da Astellas Farma Brasil.

Cientes de que os problemas cardiovasculares são a principal causa de morte no país e de que se desenvolvem por anos sem dar sintomas, a pesquisa identifica lacunas de conhecimento e comportamento alarmantes. Mais da metade dos entrevistados não se sente plenamente bem do ponto de vista cardiovascular e apontam ter hipertensão, colesterol alto e excesso de peso. O que preocupa ainda mais, porém, é que 43% dos homens não costumam fazer exames cardiológicos e somente 32% dos usuários da rede pública com 40 anos ou mais realizam esses exames pelo menos uma vez ao ano. Embora os entrevistados reconheçam os fatores de risco e sintomas de eventos cardiovaculares, só 39% expressam que iriam imediatamente ao médico na presença de dor no peito, por exemplo.

A pesquisa ainda trouxe resultados pouco explorados, principalmente no campo da saúde mental. Um dado expressivo mostra que 95% dos participantes relatam ter experimentado recentemente sentimentos negativos, que vão de ansiedade e preocupação excessiva com família e finanças a tristeza e depressão. A ansiedade é o principal entrave mental apontado: 63% dos entrevistados conviveram com ela nos últimos meses.

A sensação de depressão é acusada por 23% da amostra. Dialoga com esses achados o fato de que estar bem emocionalmente figura como o maior desafio para uma vida saudável encontrado na pesquisa: é apontado por 1/3 do público, e os números se tornam mais significativos entre os mais jovens e homossexuais ou bissexuais.

.

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

TreInamento técnico hidráulico - No intuito de capacitar seus profissionais e oferecer a melhor experiência ao cliente, a Mondial Assistance realizou uma parceria com a Tigre, multinacional brasileira líder na fabricação de tubos, conexões e acessórios, para ministrar um treInamento técnico hidráulico aos seus analistas de atendimento da área residencial, colaboradores com atuação direta com os prestadores de serviço, bem como dos departamentos de Qualidade, Acionamento, TreInamento Operacional da empresa e Negociação e Fechamento.

A iniciativa aconteceu no depósito Casa Nova, em São Bernardo do Campo (SP), e abordou os principais procedimentos para instalações hidráulicas, considerando as normas de segurança estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Além disso, durante a aula, os participantes estudaram sobre o funcionamento de dispositivos hidráulicos, como boias de caixa d'água, registros e torneiras, assim como as diferenças entre os vários tipos de tubulações e seus respectivos consertos.

André Amado, gerente da Rede de Prestadores, reforça que ações como essa trazem não apenas a melhoria nas interações realizadas com prestadores de serviço, mas, principalmente, no aperfeiçoamento das equipes como um todo. "Trabalhamos diariamente para estar sempre alinhados às necessidades de nossos clientes, gerando, acima de tudo, confiança na realização de um trabalho de qualidade nos momentos em que eles mais precisam", conclui.

Ao final do dia, os participantes concorreram ao sorteio de uma mala de ferramentas e brindes variados.

.

SEGURO CIDADÃO

                                                                                                                                                                   

Atrofia muscular espinhal O Instituto Nacional da Atrofia Muscular Espinhal (Iname), realiza entre 24 e 25 de agosto, o Encontro Anual Iname 2019 em São Paulo no Hotel Estanplaza International. O evento, que em sua primeira edição, era voltado somente para médicos e profissionais da área da saúde, ganha este ano uma nova frente: agora também é destinado para pacientes, familiares e cuidadores. Com o tema "AME + Qualidade de Vida", o objetivo do encontro é, além de capacitar profissionais da área de saúde, ampliar a discussão sobre a AME ao trazer informações e conhecimento sobre a patologia, tratamento, prevenção e diagnóstico.

"Serão dois eventos simultâneos, um encontro científico e um encontro de pacientes e familiares. Nossa missão é conscientizar a sociedade sobre a atrofia muscular espinhal, doença rara, genética e grave, e gerar conhecimento - para que todos os pacientes com AME possam ter uma vida digna e com qualidade", explica Luma Barbosa, presidente do Iname.

O encontro científico tem como objetivo aumentar o alcance e difusão do conhecimento sobre a doença. Já o encontro de pacientes e familiares, visa estabelecer melhores práticas de cuidados e tratamentos sobre diversos temas relacionados à AME.

Entre os assuntos que serão abordados no encontro estão: planejamento familiar, fisioterapia respiratória e motora e aspectos nutricionais em pacientes com AME, além de medicamentos já aprovados e também os que estão em fase avançada de estudos clínicos. "No fundo, tudo que buscamos para os nossos filhos se resume a dar qualidade de vida a eles e consequentemente a toda a família. Nesse contexto, todos os temas são pertinentes: tratamentos com medicações, cuidados respiratórios, tecnologias assistivas, cuidados multidisciplinares, enfim, há uma infinidade de coisas importantes para conversar. Os familiares são os protagonistas nos cuidados do paciente com AME, eles têm um papel importantíssimo", finaliza Luma.

Por se tratar de uma doença que atinge diversos músculos e funções do corpo, a atrofia muscular espinhal exige uma abordagem multidisciplinar de cuidados, que pode ajudar a melhorar a saúde e a qualidade de vida dos pacientes de forma geral. "O paciente que sofre com atrofia muscular espinhal precisa de um cuidado integral, não apenas do tratamento medicamentoso. É necessário que ele seja acompanhado por diversos especialistas, como por exemplo, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, nutricionista, entre outros. A doença atinge a área do sistema nervoso que controla os movimentos musculares voluntários, que permitem realizar atividades como caminhar, sentar, controlar e movimentar a cabeça e engatinhar. A respiração e a deglutição (ato de engolir) também podem ser afetadas", explica o neurologista e integrante do Comitê Científico do Iname, Edmar Zanoteli.

O evento contará com palestrantes nacionais e internacionais, todos referência em sua área de atuação, vinculados às melhores instituições de ensino e pesquisa do Brasil e do exterior. Entre eles, o professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Miguel Gonçalves, uma das maiores referências mundiais no tratamento respiratório de pacientes com atrofia muscular espinhal. O especialista é autor e coautor dos mais influentes e eficazes protocolos de ventilação não invasiva, técnicas de tosse assistida e terapia intensiva em doentes neuromusculares

A expectativa de público para o Encontro Anual Iname 2019 é mais de 300 pessoas, divididas entre comunidade científica, cuidadores e familiares. Para participar do evento, é necessário se inscrever pelo Sympla. As vagas são limitadas. A inscrição para o encontro científico é paga. Já para o encontro de pacientes e familiares é gratuita (com limite de até duas pessoas por família).

A AME é uma das mais de oito mil doenças raras conhecidas no mundo e afeta aproximadamente de 1 para cada 10 mil nascidos vivos. No Brasil, não há um levantamento oficial que indique o número exato de indivíduos acometidos. Em um trabalho minucioso de levantamento, o Iname já mapeou mais de 900 pacientes em sua base de dados. A enfermidade pode se manifestar em diferentes fases da vida e, quanto mais cedo aparecem os primeiros sintomas, mais grave é o quadro. Alguns pacientes podem apresentar os sintomas já no nascimento ou na primeira semana de vida, e geralmente têm sobrevida de semanas ou meses. Outros apresentam os sintomas até os seis meses e geralmente não são capazes de sentar ou de sustentar a cabeça. Essas crianças apresentam dificuldades respiratórias graves, e dependem de cuidados intensos diários. Outros, com sintomas que se manifestaram mais tardiamente - a AME pode se manifestar até a terceira década de vida -, são capazes de sentar, mas não de andar. Tudo depende de quão agressiva é a doença em cada paciente.

.

Vacinação contra sarampo - A campanha de vacinação contra o sarampo foi prorrogada até o final do mês na cidade de São Paulo para crianças de 6 a 11 meses e jovens de 15 a 29 anos de idade. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o objetivo da ação, iniciada no dia 10 de junho, é aumentar a cobertura vacinal e conter o aumento da doença, que já tem 997 casos na capital.

De acordo com a secretaria, até o momento a cobertura beneficiou 35,4% de jovens com idades entre 15 a 29 anos e 41,3% dos bebês de 6 a 11 meses, como resultado da estratégia adotada durante a ação. A instalação de postos volantes em locais de grande circulação de pessoas, como estações de trens, metrô e terminais de ônibus e, mais recentemente, em creches, escolas e universidades, facilitou a operação.

"As ações de bloqueio da doença têm objetivo de interromper a transmissão da doença, independentemente da confirmação do diagnóstico. Os bloqueios são desencadeados na residência do paciente com suspeita da doença, bem como em locais frequentados por ele, como escola ou local de trabalho. Neste ano, já foram realizadas mais de 3 mil ações do tipo em toda a cidade", informolu o órgão, em nota.

De acordo com boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde, desde o início do ano até o dia 13 de agosto foram registrados 8.609 casos suspeitos de sarampo, 1.319 confirmados, 734 descartados e 6.556 estão em investigação. Até o momento, não há registro de morte no estado. Os casos suspeitos e confirmados estão distribuídos em 50 municípios, com o maior percentual dos casos confirmados na faixa etária de 15-29 anos (44,4%).

.

ENDOSSANDO

                                                                                                                                                                   

Almoço O Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ) vai realizar, no dia 28 de agosto, mais um Almoço com o Mercado. A convidada será a vice-presidente de Saúde da SulAmérica, Raquel Giglio. O tradicional encontro será no Centro do Rio, a partir das 12h30, e contará com a presença dos corretores associados.

.

Assistente virtual com inteligência cognitiva - A Europ Assistance Brasil (EABR) anunciou estar oferecendo aos seus clientes da carteira Auto, a EVA (sigla de Europ Virtual Agent), a primeira agente virtual com atendimento 100% digitalizado do mercado de assistência e de seguros.

A solução é inovadora, pois usa inteligência artificial cognitiva, o atendimento possui uma linguagem natural e não de robô, é um tipo de tecnologia complexa e muito mais completa em relação a outras assistentes disponíveis hoje no mercado, conforme explica Ricardo Alexandre dos Santos, diretor executivo de operações, da EABR. "A EVA não faz trabalhos operacionais simples, como emitir a segunda via de um boleto, por exemplo. Ela é programada para executar tarefas de alta complexidade, como atender clientes em situação de emergência para atendimento de Assistência para serviço de mecânico ou reboque, além de ser capaz de aprender com a jornada do cliente e aprimorar seus processos. Somos os pioneiros no atendimento receptivo de agente virtual, não há nenhuma companhia fazendo isso nesse mercado hoje", afirma o executivo.

A ideia da agente virtual nasceu do desejo de aperfeiçoar a experiência do cliente, dando mais eficiência ao atendimento, tornando-o mais ágil. Durante os testes, os especialistas da companhia perceberam que o atendimento virtual poderia ser algo ainda maior. Mais do que ser um robô assistente, a tecnologia do projeto foi aprimorada e ganhou nome e voz humana, tornando-se a persona EVA.

Ao utilizar a EVA como ferramenta de atendimento, a EABR tem sido capaz de minimizar a possibilidade de atritos entre empresa e consumidor. O suporte da EVA também possibilita que o contato seja feito 24 horas por dia e 7 dias por semana com capacidade ilimitada e sem precisar esperar pela disponibilidade de um operador humano.

Desde sua implementação, em janeiro de 2019, a assistente acumula bons resultados para automatização do call center, padronização da interação com o cliente e possibilidade de atendimento de diversos clientes de forma simultânea, reduzindo o tempo médio de chamada em até 30%.

"O atendimento digital nesse mercado é um grande desafio, já que a demanda pelos serviços prestados por nós, provem por natureza de momentos ou situações de alto estresses para o cliente. A dúvida principal era se o robô seria capaz de administrar esse tipo de ocorrência. Para nossa surpresa, ela está não apenas funcionando muito bem, como também está trazendo qualidades superiores as do atendimento humano", comemora Tiago Massarico, diretor de Melhoria Contínua e Automação da Europ Assistance Brasil.

A EVA permite que o contato com o cliente seja feito de forma inteligente, agradável e assertiva. Os longos menus de atendimento, que tanto irritam e confundem os consumidores, não são mais necessários. Isso porque EVA não é um bot com respostas prontas, mas sim uma inteligência artificial apta a assimilar, aprender e compreender a intenção humana, sendo capaz de aplicar esses conhecimentos na eficiência de comunicação da jornada do cliente, apresentar as soluções disponíveis e aplicá-las sem a necessidade de um operador humano.

"Há muitos casos nos quais a pessoa nem mesmo se dá conta de que está conversando com uma assistente digital", conta Massarico. Mesmo assim, ele ressalta que a necessidade de mudança e digitalização da EABR vem acompanhada do entendimento de que nem todos os públicos e gerações estarão pré-dispostos a serem atendidos por esses agentes virtuais. "Àqueles que têm, de fato, resistência em serem atendidos digitalmente, há sempre a opção de direcionamento a um atendente humano", explica. Caso o cliente expresse a vontade de conversar com um atendente humano, a EVA faz esse direcionamento.

Hoje, a EVA atua na abertura de serviços para atendimento de emergências de automóveis - como pane e guincho - mas a expectativa da companhia é que, ainda em 2020, o serviço chegue também à assistência residencial. A companhia estima para o próximo ano que cerca de 50% a 60% de todos os atendimentos deverão ser feitos em canais digitais.

A capacidade de adaptação às novas tecnologias do mercado é uma das marcas da empresa para oferecer uma experiência ímpar a seus clientes de forma ágil, eficiente e competitiva.

.

Campanha de vendas - Para impulsionar as vendas de seus parceiros ativos nos canais Corretor e Concessionárias, a Mapfre lançou a campanha "Acelera Mapfre". A ação comercial acontece até dezembro e irá distribuir mais de 150 prêmios em âmbito nacional.

Com foco nos produtos de Auto, Vida e Tradicionais, os vencedores serão premiados com patinetes elétricos, vales-viagens, além de sorteios de dez carros zero quilômetro – exclusivos aos profissionais que mais comercializarem os seguros da companhia até o final do ano.

O diretor geral da Rede Mapfre e Canais, Raphael De Luca Junior, explica que a ação deste ano traz novidades que aumentaram as chances de os corretores ganharem os prêmios. "Os parceiros concorrerão apenas com os profissionais de sua própria territorial e serão divididos de acordo com a sua produtividade", explica.

Em cada uma das nove Diretorias Territoriais e 75 sucursais da companhia, além de concorrerem a um carro novo, as duas corretoras mais bem colocadas ganham quatro vales-viagens cada uma, e as que ficarem na terceira e quarta posição receberão quatro patinetes elétricos cada.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor