Advertisement

Importação de diesel cresceu 50% até maio

Internacional / 10 Julho 2018

Mesmo com alta de 22,6% nas exportações, déficit nos derivados aumentou

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) divulgou nesta terça-feira que o Brasil acumulou, nos primeiros cinco meses de 2018, um saldo positivo de US$ 3,196 bi-lhões no comércio exterior de petróleo, derivados e gás natural.
O superávit foi obtido principalmente por meio da exportação de petróleo, que teve um saldo de US$ 7,177 bilhões no período. As exportações de petróleo somaram US$ 8,847 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 1,670 bilhão.
O gás natural, por sua vez, pesa contra a balança comercial, uma vez que o Brasil apenas importa e não exporta o recurso. Até maio de 2018, foram importados US$ 788 milhões, segundo a ANP.
No caso dos derivados de petróleo, há exportações e importações, mas o saldo também é negativo em US$ 3,191 bilhões, contra US$ 2,960 bilhões nos cinco primeiros meses de 2017. As importa-ções foram de US$ 5,820 bilhões (14% acima de 2017), com destaque para o óleo diesel, cuja importação cresceu 50,3%, passando para US$ 2,790 bilhões. As exportações totalizaram US$ 2,628 bilhões, um crescimento de 22,6% em relação ao mesmo período do ano passado.
O comércio exterior de petróleo, derivados e gás natural até maio de 2018 já está próximo do resultado de 2017, que teve um saldo positivo de US$ 3,598 bilhões.
De janeiro a maio, o saldo médio mensal chegou a US$ 639 milhões. Se esse resultado médio obtido se mantiver em todos os meses até o fim do ano, o superávit da balança comercial pode passar dos US$ 7,6 bilhões para petróleo, derivados e gás natural, somatório que superaria o resultado de 2017 em mais de 100%.