Imóvel para temporada tem queda no litoral de SP

Diária mais cara registrada pelo Creci-SP foi de R$ 2.550 para apartamentos de três dormitórios no Litoral Norte.

São Paulo / 12:55 - 4 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Pesquisa feita pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis de SP (Creci-SP) com 33 imobiliárias de 12 cidades do litoral de São Paulo registrou uma redução nos valores das diárias na maior parte das casas e apartamentos em oferta para o Natal.

Dos 21 tipos de imóveis ofertados, sete estão com diárias mais caras, trêss mantêm o mesmo valor do Natal de 2018 e 10 estão menores. O preço mais em conta de todos - R$ 200 - é para o aluguel de casas de um dormitório em cidades como Ubatuba e Ilhabela, no Litoral Norte, e também em Peruíbe e Praia Grande, no Litoral Sul.

A diária mais cara registrada pela pesquisa Creci-SP foi de R$ 2.550 para apartamentos de três dormitórios no Litoral Norte. Imóveis de mesmo porte podem ser alugados, em média, por R$ 900 em Guarujá ou Santos ou por R$ 500 em Praia Grande ou Itanhaém.

A faixa central do litoral, onde estão Guarujá e Santos entre outras cidades, é a que apresentou maior número de imóveis ofertados com queda nos preços das diárias de locação - cinco entre sete tipos disponíveis. No Litoral Norte foram registrados aumentos em quatro tipos de imóveis e queda em três.

No Litoral Sul, dos seis tipos de casas e apartamentos já disponíveis para locação, um apenas tem diária mais cara que a do ano passado, enquanto que dois registram valor menor e três mantêm o preço médio pelo qual eram ofertados no Natal passado.

"Quem pretende pôr o pé na areia na semana do Natal deve correr para não ficar sem opção nem pagar mais caro", recomenda José Augusto Viana Neto, presidente do Creci-SP. Ele considera a chegada do Verão em Dezembro e a costumeira "fuga para a praia" como fatores de pressão sobre os preços das diárias. "Quem deixa para a última hora fica com as piores e mais caras opções", afirma.

Um dos destinos preferidos dos paulistanos, o Litoral Norte tem, além da diária média de R$ 200 por casas de um dormitório, opções como os apartamentos tipo quitinete por R$ 300, casas de dois dormitórios por R$ 412,50 e apartamentos de dois dormitórios por R$ 626.

Foi no Litoral Norte que a pesquisa do Creci registrou a maior alta do preço de diárias na comparação com o Natal de 2018 - aumentou 128,55% valor da locação/dia de apartamentos de dois dormitórios, passando de R$ 478 para R$ 1.092,50. Já as casas desse mesmo padrão tiveram queda de 47,85% no aluguel, partindo de R$ 791 para R$ 412,50.

No Litoral Central, a diária de casas de quatro dormitórios teve a maior queda dentre todos os tipos de imóveis em oferta nas imobiliárias pesquisadas. Comparado com o do ano passado, o preço médio caiu 75%, de R$ 3 mil para R$ 750.

Também tiveram reduções significativas as casas de três dormitórios - de R$ 1.110 para R$ 600, ( - 45,94%) - e os apartamentos de quatro dormitórios, cuja diária média caiu 50%. No ano passado, o valor médio era de R$ 2 mil e passou a R$ 1.000.

No Litoral Sul, apartamentos de três dormitórios podem ser alugados por R$ 500, valor 37,5% menor que os R$ 800 pedidos no ano passado. Casas de um dormitório estão com o mesmo valor de diária de 2019 - R$ 200 em média - apartamentos de mesmo padrão, idem, com diária média de R$ 300. A pesquisa Creci-SP também apurou que não houve mudança de preço da diária de apartamentos de dois dormitórios - R$ 500.

O levantamento foi feito nas cidades de Caraguatatuba, Ubatuba, São Sebastião, Ilhabela, Bertioga, Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe.

"Além de não deixar para a última hora, é importante procurar alugar imóvel com corretores e imobiliárias, que atuam com responsabilidade, ética e compromisso com os clientes e proprietários", afirma Viana Neto ao lembrar que as festas de fim de ano e as férias "são as que mais registram ação de fraudadores e estelionatários que alugam o que não lhes pertence".

 

Até 16 dias e 20 pessoas - A pesquisa do Creci-SP com as 33 imobiliárias de 12 cidades litorâneas apurou que os proprietários de todos os imóveis em oferta para locação no período do Natal aceitam alugar suas casas e apartamentos por até 16 dias, a partir de um mínimo de cinco dias.

Já o número de pessoas admitidas nos imóveis varia de acordo com o tipo: nas casas, são até três para as de dois cômodos; até seis para as de um dormitório; até oito para as de dois dormitórios; até 12 para as de três dormitórios; e até 20 para as de quatro dormitórios.

Nos apartamentos, os limites são de até três para as quitinetes; de até cinco para os de um dormitório; de até seis para os de dois dormitórios; de até 15 para os de quatro dormitórios.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor