IBGE: Rio foi destaque na produção industrial

Conjuntura / 14 Novembro 2017

Pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que o Rio de Janeiro foi destaque na produção industrial em setembro. Com um índice de 8,7%, o estado foi o que obteve melhor resultado entre os 14 locais analisados, em comparação com agosto. Em relação a setembro do ano passado, a indústria fluminense avançou 11,3%.

Os resultados positivos obtidos pelo Rio de Janeiro foram impulsionados pelos setores de derivados do petróleo e biocombustíveis, além de veículos automotores. No entanto, nem todas as unidades da federação registraram elevação no indicador. Estados como Espírito Santo, Ceará, Rio Grande do Sul e Amazonas ficaram com a taxa da produção industrial abaixo de zero.

Diante dos resultados, economistas acreditam que o setor industrial precisa ter maior participação na economia nacional. É o caso do gerente-executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco. Para o especialista, atualmente, o setor é responsável por 21,2% do Produto Interno Bruto, mas ainda depende de alguns fatores para aumentar a produtividade no país.

- Nós precisamos fazer com que produzir no Brasil custe menos. Custos associados ao salário, aos encargos têm que ser menores. Com mais produtividade, os salários vão crescer.

Ainda de acordo com o IBGE, no acumulado do ano, o Rio de Janeiro cresceu 2,8%. O deputado Federal Celso Pansera (PMDB-RJ) vê potencial na indústria brasileira, mas acredita que o segmento precisa de um investimento maior por parte do governo.

- O Brasil tem um mercado promissor e tem mão de obra qualificada para isso, mas o governo tem que investir em inovação e modernização - disse.

No Brasil, o setor industrial é responsável por 22,2% do emprego formal, 22% da massa de salários e por 38,1% das exportações, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria.

 

Santa Catarina - Na passagem de agosto para setembro, Santa Catarina teve crescimento de 0,2% na atividade industrial. Comparado a setembro do ano passado, o estado apresentou crescimento de 2,4%. O acumulado nos últimos meses também acompanhou o resultado positivo. O índice de produção industrial foi de 2,5%. Os dados foram divulgados pelo IBGE na última quarta-feira (08) e mostraram que a indústria cresceu de agosto para setembro em seis dos 14 locais pesquisados.

No geral, o Brasil registrou aumento de 0,2% no mesmo período, depois de ter registrado queda de 0,7% em agosto. O índice do setor no terceiro trimestre também foi positivo, com 3,1%. Atualmente, a participação da indústria nacional no PIB é de 22,1%. Mas já foi maior. Em 2006, por exemplo, o Brasil tinha participação de 27,7%.

Flávio Castelo Branco afirma que o país precisa reduzir custos para voltar a crescer.

- Um país dessa magnitude, dessa extensão territorial, evidentemente que precisa de um setor industrial dinâmico, moderno, com capacidade inovadora, competitivo. Então, nós precisamos fazer com que produzir no Brasil custe menos. Isso não significa que o salário tenha que ser menor, mas os custos associados ao salário, os encargos, têm que ser menores. E, principalmente, que a produtividade desse trabalhador por maior qualificação, educação, acesso a meios de produção, capital mais modernos sejam também maior. Com mais produtividade, os salários vão crescer

Segundo o administrador catarinense e deputado federal Esperidião Amin (PP-SC), Santa Catarina tem uma indústria diversificada e consolidada, o que pode ter contribuído para o resultado positivo. Ele avalia também como a produção nacional pode voltar a crescer.

- Diversidade, exportação por causa da qualidade são os aspectos que eu mais destaco. O que falta realmente é que o país tenha outros ganhos na política, no projeto nacional que só a eleição vai nos trazer.

De acordo com dados da Confederação, em 2014, o PIB industrial do estado catarinense era de mais de R$ 62 bilhões, o equivalente a 5,3% da indústria nacional. Os dados apontam ainda que os setores de construção, alimentos e vestuário são os que mais movimentam a indústria local.

 

Com informações da Agência do Rádio Mais