Advertisement

Guru de Bolsonaro é investigado por suspeita de fraude financeira

O Ministério Público Federal (MPF) abriu investigação, no início deste mês, para apurar se o economista...

Mercado Financeiro / 11 Outubro 2018

O Ministério Público Federal (MPF) abriu investigação, no início deste mês, para apurar se o economista Paulo Guedes, guru do candidato Jair Bolsonaro (PSL), se associou a executivos ligados ao mercado financeiro para fraudar negócios com fundos de pensão de estatais. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta quarta-feira.
De acordo com os documentos obtidos pela reportagem, a BR Educacional Gestora de Ativos, de Guedes, lançou em 2009 dois fundos de investimento que receberam, em seis anos, R$ 1 bilhão das entidades de previdência de estatais.
Um deles, o Fundo de Investimento em Participações (FIP) BR Educacional, obteve R$ 400 milhões entre 2009 e 2013 para projetos educacionais. A suspeita é que o negócio tenha sido aprovado sem análise adequada e gerado ganhos excessivos ao economista.
Paulo Guedes, escolhido para assumir o Ministério da Fazenda em um eventual governo de Jair Bolsonaro, é investigado por supostos crimes de gestão fraudulenta ou temerária, emissão e negocia-ção de títulos sem lastros ou garantias ao negociar, obter e investir recursos de sete fundos. Entre as entidades estão Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras), Funcef (Caixa) e Postalis (Correios), além do BNDESPar – braço de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
A apuração foi instaurada pela força-tarefa da Operação Greenfield, que mira esquemas de pagamento de propina em fundos de pensão, com base em relatórios da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc).