Greve geral na França mobiliza 1,5 milhão

Além da paralisação, ocorreram mais de 200 manifestações em todo o país.

Internacional / 00:10 - 6 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A greve geral contra a reforma da previdência proposta pelo presidente Emmanuel Macron levou cerca de 1,5 milhão de pessoas às ruas em mais de 70 cidades da França nesta quinta-feira, segundo a Confederação Geral do Trabalho (CGT) francesa. 
De acordo com a central sindical, manifestações foram registradas nas principais cidades do país como Marselha, Toulouse, Bordéus, Grenoble e Paris. Os sindicatos dos ferroviários, dos trabalhadores autônomos do transporte e do transporte aéreo afirmaram que continuarão em greve até a próxima segunda-feira. Além da paralisação, à qual aderiram categorias como policiais, advogados, aposentados, estudantes, professores, garis e trabalhadores do setor privado, ocorreram mais de 200 manifestações em todo o país.
À noite, o porta-voz do governo de Macron, Sibeth Ndiaye, afirmou que “a porta do governo está aberta” para que existam discussões a respeito do projeto de reforma na previdência. Segundo o funcionário do governo, Macron ainda possui “margens de negociação com os sindicatos”. As informações são do Opera Mundi.
Por sua vez, o líder do partido de esquerda França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon afirmou estar “muito otimista” após a jornada de mobilizações desta quinta-feira, a qual classificou como uma “grande batalha que acabou de começar”.
De acordo com a CGT, 45% dos trabalhadores do setor público aderiram à greve geral desta quinta. Só na capital, a central sindical ainda afirma que marcharam 860 mil pessoas neste dia de paralisações.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor