Governo lança campanha de mobilização para incentivar vacina contra HPV

Conjuntura / 12:04 - 30 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A partir do dia 3 de abril, meninas de 9 a 13 anos serão orientadas a procurar uma das 36 mil salas de vacinação no país para receber a dose contra o HPV. A campanha nacional de mobilização, coordenada pelo Ministério da Saúde, segue até 15 de abril. A dose, entretanto, pode ser encontrada nos postos de saúde durante todo o ano. A meta deste ano é vacinar pelo menos 80% das meninas de nove anos de idade, público-alvo da campanha, formado por um total de 1,7 milhão de garotas. A imunização é feita em duas doses injetáveis - a primeira, de preferência, nos meses de março ou abril e a segunda, seis meses após a primeira. A orientação da pasta é que meninas de 10 a 13 anos que ainda não receberam a dose ou que não completaram o esquema vacinal também sejam imunizadas durante a campanha de mobilização. A proteção, segundo o ministério, só é conferida se todas as doses forem aplicadas. Meninas e mulheres com idade entre 9 e 26 anos com HIV ou aids também devem ser vacinadas. Nesse caso, a imunização ocorre em três doses, sendo a segunda aplicada em dois meses e a terceira, seis meses depois. Dados do ministério apontam que 59 mil mulheres de 15 a 26 anos estão nesta condição no país atualmente. Ainda de acordo com a pasta, meninas de nove a 13 anos poderão ser vacinadas contra o HPV em escolas públicas e particulares. Para isso, o ministério recomenda o envolvimento das secretarias estaduais e municipais de educação na operacionalização das ações. O ministério informou que foram gastos R$ 1,1 bilhão para a compra de 32 milhões de doses contra o HPV nos últimos três anos. A vacina usada pelo governo brasileiro é a quadrivalente e protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 - principais responsáveis por casos de câncer de colo de útero e verrugas anogenotais. A coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunização, Carla Domingues, lembrou que o vírus é atualmente muito disseminado e transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas. A estimativa, segundo ela, é que o país registre este ano 16 mil novos casos de câncer de colo de útero e cerca de 5,4 mil mortes provocadas pela doença em 2016. - A vacina é segura e recomenda pela Organização Mundial da Saúde. A dose já é utilizada em mais de 100 países - disse, ao destacar que o câncer de colo de útero representa a quarta causa de morte por câncer entre mulheres. Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor