Advertisement

Governo entrega pré-sal a ‘preço de banana’

Mercado Financeiro / 08 Junho 2018

Preço médio do barril nos campos arrematados na 4ª Rodada saiu por R$ 0,26, diz FUP

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) vendeu, nesta quinta-feira, três dos quatro blocos ofertados na 4ª Rodada de Partilha e arrecadou R$ 3,15 bilhões em bônus, garantindo investimento mínimo de R$ 738 milhões ao país. A previsão era arrecadar R$ 3,2 bilhões com bônus de assinatura.
Das quatro áreas ofertadas, apenas o bloco de Itaimbezinho, no pré-sal da Bacia de Campos, não recebeu oferta. Já o bloco mais cobiçado e o primeiro a ser licitado, o de Uraipuru, foi arrematado pelo consórcio formado pela portuguesa Petrogal, a norueguesa Statoil e a ExxonMobil que ofereceram 75,49% de óleo-lucro à União – oferta bem superior ao mínimo de 22,18%, com ágio de 240,3%.
A Petrobras exerceu o direito de preferência e vai integrar o consórcio vencedor. O investimento previsto é de R$ 246 milhões. Também foram arrematados no leilão desta quinta-feira os blocos Dois Irmãos, no pré-sal de campos e Três Marias, na Bacia de Santos. 
A Federação Única dos Petroleiros (FUP) criticou a 4ª rodada de licitação do pré-sal, que – na avaliação da entidade – entregou áreas nas bacias de Campos e Santos a preços vis. Em material divul-gado à imprensa, a FUP destaca que cada barril saiu ao preço médio de R$ 0,26. “Os três campos leiloados – Dois Irmãos (na Bacia de Campos), Três Marias e Uirapuru (na Bacia de Santos) – contêm reservas estimadas de 12,132 bilhões de barris de petróleo”, dizem os petroleiros.
Segundo o texto da FUP, o “governo Temer entregou mais oito bilhões de barris de petróleo às multinacionais, ao concluir a 4ª Rodada de Licitações do Pré-Sal, onde cada barril saiu ao preço médio de R$ 0,26. A Petrobras, mesmo pagando o maior valor em bônus do leilão (R$ 1 bilhão do total de R$ 3,150 bilhões arrecadados) e exercendo a preferência dos 30% de participação mínima nos consórcios, como prevê a lei, terá direito apenas a 3.999 bilhões de barris. Ou seja, 33% das reservas licitadas.”
O coordenador geral da FUP, Simão Zanardi, recorda quem o Governo Temer já realizou cinco leilões de petróleo, “onde entregou às multinacionais áreas preciosas do Pré-Sal, enquanto o povo brasileiro é obrigado a pagar preços absurdos pela gasolina, diesel e gás de cozinha”. 
 “Estamos vendendo petróleo para depois importar derivados, isso significa exterminar com a produção nacional. Voltamos ao colonialismo dos tempos de Fernando Henrique Cardoso”, alerta, ressaltando que a Petrobras faz o jogo do mercado ao exportar óleo bruto do Pré-Sal para que as empresas estrangeiras lucrem com a importação de produtos refinados.
“A atual gestão da Petrobras está vendendo ao mercado internacional um petróleo que vai fazer falta ao Brasil. Saiu Pedro Parente e entrou Ivan Monteiro, mas a política de privatização continua”, declara o coordenador da FUP.