Governo diz que defenderá interesses do Brasil no aço

Porta-voz do Palácio do Planalto diz que Bolsonaro não ligará para Trump por enquanto.

Internacional / 00:06 - 3 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em breve nota conjunta, os ministérios das Relações Exteriores, da Economia e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento disseram nesta segunda-feira que o Governo Federal trabalhará para defen-der o interesse comercial do Brasil e que já está em contato com autoridades dos Estados Unidos para tratar sobre possível imposição de sobretaxa ao aço brasileiro.
“O governo brasileiro tomou conhecimento de declaração do presidente Donald Trump sobre possível imposição de sobretaxa ao aço brasileiro e já está em contato com interlocutores em Washin-gton sobre o tema. O governo trabalhará para assegurar a fluidez do comércio com os EUA, com vistas a ampliar o intercâmbio comercial e aprofundar o relacionamento bilateral, em benefício de ambos os países”, diz a nota.
Mais cedo, o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou, em sua conta no Twitter, que vai restaurar as tarifas do aço e alumínio brasileiros e argentinos. A medida é uma reação americana à desvalorização das moedas locais desses dois países.
O Instituto Aço Brasil recebeu com perplexidade a decisão anunciada por Trump. Em nota, o instituto reforça “que o câmbio no país é livre, não havendo por parte do governo qualquer iniciativa no sentido de desvalorizar artificialmente o real e a decisão de taxar o aço brasileiro como forma de ‘compensar’ o agricultor americano é uma retaliação ao Brasil, que não condiz com as relações de parceria entre os dois países. Por último, tal decisão acaba por prejudicar a própria indústria produtora de aço americana, que necessita dos semiacabados exportados pelo Brasil para poder operar as suas usinas.”
O porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, afirmou no fim da tarde que o presidente Jair Bolsonaro não ligará para o presidente dos EUA até que a medida anunciada pelo norte-americano seja esclarecida, incluindo os impactos que pode causar no setor de aço e alumínio do Brasil.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor