Goldman Sachs e Itaú BBI divergem quanto ao ferro

Banco norte-americano prevê metal acima de US$ 100, instituição brasileira espera menos de US$ 90.

Acredite se Puder / 18:17 - 2 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No final de semana, o Conselho de Estado chinês comprometeu-se a elevar os investimentos nos projetos de infraestrutura e de desenvolvimento regional para apoiar a economia. Tal decisão provocou euforia entre os investidores que passaram a acreditar no forte aumento da procura por produtos siderúrgicos e provocaram um aumento de 6% nos preços do minério de ferro. Os analistas do Goldman Sachs acreditam que, com a recuperação, a cotação do minério deve ultrapassar a aos US$ 100 até o final deste ano.

Mas existem controvérsias. Depois da viagem a Cingapura e Hong Kong, os técnicos do Itaú BBA revisaram os seus modelos para Vale e CSN, passaram a acreditar que o atual desequilíbrio entre oferta e demanda suporte os preços no curto prazo, é que ocorra uma correção em 2020”, por conta do reinício da capacidade atualmente interrompida e pelo crescimento potencialmente mais lento do PIB global. Assim, os especialistas aumentaram a expectativa média de preço de minério de ferro para 2019, de US$ 85 para US$ 90 a tonelada, mas mantiveram a previsão para 2020 em US$ 75, assim como a projeção de longo prazo em US$ 55.

Dentro desse contexto, estabeleceram uma redução de US$ 19 para US$ 16 na cotação alvo para os ADRs da Vale, por entender a empresa terá um custo caixa/tonelada ligeiramente mais alto. Devido a possível utilização de US$ 6 bilhões em diversas provisões entre 2019 e 2022.

 

Vai sobrar para a CSN

Para a CSN, os analistas do Itaú BBA destacam que os preços mais baixos de minério de ferro e uma consequente contração no Ebitda em 2020 podem aumentar os índices de alavancagem, a menos que a empresa anuncie os desinvestimentos de ativos há muito esperados. Acontece que ninguém espera que isso aconteça, pois vender ativos causa mita dor a Benjamin Steinbruch. Assim, o preço-alvo para em 2020 é de R$ 17,5 por ação, estável em relação ao anterior.

 

Eletrobras paga nova parcela a BR Distribuidora

A Petrobras Distribuidora informou recebeu parte dos valores estabelecidos nos Instrumentos de Confissão de Dívidas – ICDs assinados com a Eletrobras e suas controladas distribuidoras de energia. Até o presente momento, foram pagos aproximadamente R$ 2,70 bilhões, dos quais R$ 125,9 milhões correspondem à 16ª parcela. E também comunicou que, acatando o último despacho do Tribunal Superior do Trabalho, segue a mediação de seu Acordo Coletivo de Trabalho iniciada em março desse ano, por mais 30 dias, até 30 de setembro de 2019, pois entende que deve buscar, ao tratar das relações de trabalho, as mesmas condições dos seus concorrentes, sendo isto, um pilar importante de sua estratégia de 10 iniciativas anunciadas ao mercado na apresentação dos resultados do 2º trimestre em 1º de agosto de 2019”, destacou.

 

MP atropela a CVM?

O jornal Valor publicou que o Ministério Público do Rio de Janeiro solicitou ao responsável pela recuperação judicial da Oi que envie à Comissão de Valores Mobiliários esclarecimentos sobre o volume de negócios envolvendo as ações da companhia. A solicitação é que haja o levantamento dos participantes de todas as operações de “day trade” com os papéis da operadora e os nomes dos maiores compradores e vendedores das ações da companhia. Nunca vi o MP se meter nas atribuições da CVM.

 

BMG registra ofertas

O banco BMG solicitou na CVM o registro de oferta primária e secundária de ações. E contratou as seguintes instituições para fazer o lançamento: XP Investimentos, Itaú BBA, Credit Suisse e Brasil Plural.

 

Banco Pan tem novo presidente

O Banco Pan informou que o executivo Carlos Eduardo Guimarães foi indicado para a presidência da companhia.

 

Braskem vai pagar o obrigatório

A administração da Braskem revisou as previsões para remuneração dos seus acionistas, entre eles a Odebrecht, seu controlador. Devido à decisão judicial, só efetuará o pagamento do dividendo mínimo obrigatório previsto pela lei. A reunião será 3 de outubro, em Camaçari, na Bahia.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor