Goldman prevê que Fed faça 3 cortes nos juros este ano

Instituição aponta para uma probabilidade de 75% para um corte de 25 pontos base em setembro.

Acredite se Puder / 19:33 - 6 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os economistas do Goldman Sachs estão prevendo que a Fed deverá cortar mais duas vezes os juros neste ano: subiu para três. Como os especialistas do banco norte-americano de investimento não acreditam que um acerto comercial entre as duas maiores economias do mundo seja assinado antes das eleições americanas de 2020, os cortes acontecerão por causa do aumento das tensões entre as duas potencias e pela perspetiva de um Brexit sem acordo. A casa de investimento espera um terceiro corte nos juros de 25 pontos base em outubro, para um total de cortes de 75 pontos base em 2019.

O Goldman aponta para uma probabilidade de 75% para um corte de 25 pontos base em setembro, 15% de hipóteses de que esse corte se situe nos 50 pontos base e apenas 10% de hipóteses de que não exista nenhum corte neste mês. Em outubro, a probabilidade de que a Fed anuncie uma redução de 25 pontos base nos juros é avaliada pelo Goldman em 50%, contra apenas 10% de probabilidade de que o corte seja de 50 pontos base. A possibilidade de que não existam alterações nos juros é contudo mais elevada para este mês, colocando-se nos 40%.

 

Petróleo baixará para US$ 10?

As fontes eólica e solar podem produzir energia sete vezes mais útil para os carros, em termos de investimento, do que a gasolina com os preços do petróleo nos atuais níveis. Para concorrer, a longo prazo, o petróleo teria de desvalorizar para US$ 9 a US$ 10 por barril para que os carros movidos a gasolina continuem competitivos com os de energia limpa, os veículos elétricos, enquanto o do diesel teria de baixar para US$ 17 a US$ 19 o barril, segundo relatório do BNP Paribas. Segundo Mark Lewis, chefe global de pesquisa em sustentabilidade da unidade de gestão de recursos da instituição, a análise leva a uma conclusão muito clara para o setor de petróleo: para o mesmo investimento hoje, a energia eólica e solar já produzirá eletricidade muito mais útil para os veículos elétricos do que o petróleo comprado no mercado à vista. São números impressionantes e sugerem que o modelo econômico das energias renováveis, em conjunto com os veículos elétricos, deve tornar-se irresistível na próxima década.

 

Cotação do Pine sobe

Por dois anos, o banco Pine sofre com a sua carteira de clientes que vem causando prejuízos. A instituição atua no segmento corporativo, que não tem sido bom negócio, nem para os grandes bancos e só o Bradesco teve algum crescimento. O relatório da Eleven Financial Research ressalta que os danos causados ao banco pelos seus financiamentos para o agronegócio e para a energia são complicados, concluindo que essa não é uma empresa para a qual esperam um processo de virada no curto prazo. Acontece que a cotação da ação do Banco Pine subiu 100% nos últimos cinco pregões, saindo de R$ 2,51 para R$ 5,02, só porque recebeu algumas recomendações de compra.

 

Alterações no setor de shoppings centers

Nesta segunda-feira, os conselhos de administração da Sonae Sierra Brasil e da Aliansce confirmaram o cumprimento das exigências para fusão das empresas e deram sinal verde para o início imediato da operação do novo grupo, batizado de Aliansce Sonae Shopping Centers SA. Na última sexta-feira, a BRMalls anunciou a venda de sete shopping centers para o Fundo de Investimento Imobiliário BTG Pactual Shoppings por R$ 700 milhões. e o consequente abandono da posição de líder da área no Brasil.

Após manter por mais de uma década a liderança no setor, a BRMalls, em 2013, chegou a ter 52 empreendimentos com área de 1,7 milhão de metros quadrados para os lojistas. Agora, só possui 29 unidades e ficará com apenas 27, pois está negociando dois shoppings centers. Enquanto isso, a Aliansce Sonae terá 29 estabelecimentos, além de outros 11 sob sua administração, e a área consolidada chegará a 1,4 milhão de m², 16,5% maior que a da concorrente.

 

Depois da disparada, bitcoin para

No dia da crise, devido à desvalorização do iuan, o bitcoin subiu quase 9%. No pregão desta terça-feira, não andou e permaneceu em US$ 11.672,70. O engraçado é que a moeda virtual foi chamada de “porto seguro”. Ha, ha, ha.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor