Advertisement

Gestores da água

Em 22 de março, celebramos o Dia Mundial da Água. Vale lembrar que Brasília sedia, em 2018, entre os dias 18 e 23 de...

Opinião / 19 Março 2018

Em 22 de março, celebramos o Dia Mundial da Água. Vale lembrar que Brasília sedia, em 2018, entre os dias 18 e 23 de março, o 8º Fórum Mundial da Água, espaço para um bom diálogo, cujo exercício básico é a democracia, que é o regime da responsabilidade. Portanto, devemos dar a devida atenção às resoluções propostas por esse evento para a agenda internacional.

Discutir sobre o líquido sustentador da vida e se o utilizamos de modo sensato é na atualidade uma pauta indispensável. O Brasil, de forma geral, pode se considerar privilegiado, como declarou o dr. Paulo Lopes Varella Neto, ex-diretor de Gestão da Agência Nacional de Águas (ANA).

 

A questão é conseguir

administrar bem essa fartura

 

Ele explica: “Nós somos o país que mais dispõe de água doce no mundo, e 12% dela é gerada em território nacional. Mas, se considerarmos a água que vem de outros países e que por aqui passa e, portanto, está disponível para uso, dispomos de aproximadamente 18% da água doce na Terra”.

Contudo, a questão é conseguir administrar bem essa fartura, a fim de atender às necessidades de todos. Apesar de abundante em certas regiões, ela é escassa em outras. Um ponto igualmente relevante é o cuidado que devemos ter para não degradar os recursos hídricos.

O dr. Paulo Varella, que é hidrogeólogo, trouxe-nos um exemplo interessante: “Como a água carrega no seu sabor, na sua cor, no seu cheiro a memória dos territórios por onde passa, ela é um integrador geográfico. E, como também não respeita limites de estados, nem mesmo de países, ela é um integrador geopolítico. De maneira que vi, há pouco tempo, ao visitar uma determinada instalação nos Estados Unidos, uma frase que me chamou a atenção e agradou: ‘No mundo da água estamos todos ajudantes’. O que quer dizer o seguinte: temos responsabilidades de que a água que passa por nós, a que usamos, afetará a outros que estão mais abaixo. E a água que estamos usando certamente já passou por alguém que estava águas mais acima.”

Falando ao Portal Boa Vontade, comentou: “O esforço que a Agência Nacional de Águas faz, que o governo faz, que os comitês de bacias fazem, tem como motor a posição individual de cada um de nós. Os maiores gestores de água do planeta somos nós. Se cada um tomar consciência disso, tudo pode mudar. Temos que passar de observadores para atores dentro desse processo. E é na forma como se vai colocar o lixo, como vai tomar o banho, lavar o carro, e assim por diante, que a gente pode realmente dar uma contribuição (…).”

Ao informar-nos do reconhecimento alcançado pelo nosso país no mundo por seu modelo de gestão da água, não deixou de expor também os imensos desafios que enfrentamos, por exemplo, com grandes cheias na Amazônia; secas históricas em São Paulo, Rio, que se repetem e que, há décadas, afetam o nordeste do Brasil, no semiárido. Diz ele: “Apesar de toda a riqueza que possuímos, realmente a gente tem que se preocupar em encarar a questão do gerenciamento desse recurso.”

Valendo-se do Dia Mundial da Água, o entrevistado desejou ainda ressaltar: “Que entendamos a água como um grande vetor de progresso, e os usos múltiplos são absolutamente cruciais para que possamos ter um desenvolvimento sustentável. E termino dizendo da importância que acredito seja o papel de cada um de nós enquanto – vamos chamar – minigestores, mas num conjunto de grandes gestores dessa água.”

 

José de Paiva Netto

Jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.br