Advertisement

Garimpagem para o lixo zero

Direito Ambiental / 12 Junho 2018

Com a comemoração do Dia do Meio Ambiente, tivemos dois grandes eventos, os quais iremos comentar a seguir, que abordaram a origem, importância da coleta do lixo e as vantagens para a sociedade. Em atividade iniciada na semana passada, em 5 de junho, foi instalado em Brasília o 1º Congresso Internacional Cidade Lixo Zero. O Congresso foi organizado pelos institutos Lixo Zero Brasil e Deponta Brasil, com parceria do governo de Brasília. O Instituto é uma organização da sociedade civil autônoma e representa o Brasil na Zero Waste Internacional Alliance – movimento internacional de organizações que desenvolvem o conceito e os princípios de lixo zero no mundo.

Nota se que a ideia de lixo zero é a instituição de um conjunto de atuações objetivando que as pessoas atualizem as práticas para incentivar os ciclos naturais sustentáveis. Comemorando o Dia do Meio Ambiente, ocorrido em 5 de junho, surgiu o lançamento da campanha visando o lixo zero, o que demonstra a intenção de se conduzir as alterações funcionais dos resíduos que não tem mais nenhuma utilidade. Neste congresso, citado no início, especialistas, técnicos em resíduos sólidos encaminham programas desenvolvidos nas cidades, visando justamente o programa lixo zero. Inclusive, é o momento de apresentarmos como está sendo realizada a eliminação de resíduos em nosso país. Como bem se acolhe na Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe):

Os aterros municipais, estão saturados, possuem diferentes tamanhos e funcionam em áreas metropolitanas;

64% dos municípios possuem “lixões” e há uma preocupação com a extinção destes;

Baixa taxa de coleta de reciclagem: abaixo de 3% (média nacional);

Impacto social: relevante, considerando o passivo trabalhista na relação entre municípios e cooperativas;

Elevados custos de logística: no processamento de materiais recicláveis;

450 kg /pessoas/ano: quantidade de resíduos de construção. Representa 42% de volume de resíduos urbanos;

42% do total de emissões de gases do efeito estufa.

Como se tem anunciado, a concepção sobre o lixo zero é baseada em uma pretensão de nível elevado ao aproveitar os resíduos recicláveis e orgânicos, com um caminho com que sejam extintos ou não prejudiquem o meio ambiente. Podemos observar as vantagens que podem acontecer com a nossa postura ambiental. Isto porque o incentivo permanente diminui de maneira acentuada resíduos decorrentes de atividades exercidas na produção dos bens. Outra vantagem que já poderíamos verificar nesta meta é o fato de que as cidades mais conservadas com pouca fluência de lixo vêm sempre voltadas à manutenção da sua estrutura. Permite que a própria sociedade se incentive e visualize as vantagens de atuarem a favor do lixo zero.

Por outro lado, temos a considerar outro evento realizado na mesma semana, a Virada Sustentável; é o movimento de mobilização para a sustentabilidade que organiza o maior festival sobre o tema no Brasil. Envolvendo a participação de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, coletivo de cultura, movimentos sociais, equipamentos culturais, empresas, escolas, universidades, entre outros, com o objetivo de apresentar uma visão positiva e inspiradora sobre a sustentabilidade e seus diferentes temas para a população, além de reforçar a rede de transformação e impacto social existentes nas diferentes cidades.

Segundo o site www.viradasustentavel.org.br, a ideia do evento era difundir e ampliar a informação sobre sustentabilidade na sociedade, utilizando a arte e atividades lúdicas como principais ferramentas, inspirando as pessoas a enxergarem na sustentabilidade um valor coletivo. Acreditam que a sustentabilidade pode ser alegre e inspiradora. E que essa abordagem representa um apelo importante para que pessoas, organizações e instituições atuem na construção de uma sociedade mais justa e equilibrada.

Diante destes acontecimentos, percebemos que o meio ambiente está sendo visto com um novo olhar.