Advertisement

Fundos de pensão têm rentabilidade de 12,22% em 2018

Ativos totais administrados totalizaram R$ 900 bilhões, 7,4% superior ao resultado de 2017.

Mercado Financeiro / 21:50 - 13 de Mar de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As entidades fechadas de previdência complementar, mais conhecidas como fundos de pensão, tiveram rentabilidade de 12,22% no acumulado de 2018, de acordo com balanço divulgado nesta quarta-feira pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp).

Os ativos totais administrados somaram no ano passado R$ 900 bilhões, 7,4% acima dos 838 bilhões de 2017, informou a entidade que realizou uma coletiva online nesta quarta-feira sobre o tema. Além dos dados do setor, o presidente da Abrapp, Luis Ricardo Martins, também fez comentários sobre o projeto de previdência do governo.

Segundo os dados da Abrapp, as Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPCs) registraram um superávit de R$ 26,8 bilhões em 2018, acréscimo de 32,02%, em comparação com os R$ 20,30 bilhões registrados em 2017. Já o déficit acumulado das EFPCs reduziu para R$ 29,2 bilhões no ano, contra R$ 33,7 registrados em 2017.

A rentabilidade média de 2018 dos fundos de pensão ficou pouco acima do retorno de 11,36% registrado em 2017. O índice superou a TJP (Taxa de Juros Padrão), que foi de 10,14%, e o CDI (Certificados de Depósito Interbancário) que foi de 6,42%. “No longo prazo o cenário também é positivo, registrando no acumulado (2004 a 2018) 539,95%", destacou a entidade. Nos 15 anos encerrados em 2017, no entanto, a rentabilidade acumulada foi de 641,45%.

O levantamento apontou que o valor médio mensal da aposentadoria programada paga foi de R$ 5.968, enquanto a média da aposentadoria por invalidez foi de R$ 2.413 e o valor das pensões chegou à média de R$ 2.838.

 

Projeto da previdência

 

Na opinião do presidente da Abrapp, o sistema de capitalização que o governo federal pretende implementar na reforma é positivo. No entanto, ele tem dúvidas e preocupações em relação às “contas nacionais”. Para ele, o cenário é positivo para a previdência complementar, uma vez que há a urgência para reequilibrar as contas públicas do país.

Martins esteve com a equipe econômica para questionar alguns pontos do projeto. Ele apontou alguns temas de preocupação como a sustentabilidade do regime de capitalização, por exemplo. Segundo ele, haverá a formação de um grupo composto de “entendedores” do sistema previdenciário para que estruturam a lei complementar, que regulamentará o novo regime.

“As contas nocionais estão sendo aplicadas e estruturadas na Noruega e na Suécia com muito sucesso e me parece que há uma intenção de adotar sistema parecido no Brasil”, ressaltou o presidente da Abrapp.

Também apontou preocupações em relação ao modelo da mudança. “Dentro daquilo que é adotado em outros países, você tem uma conta virtual que cada trabalhador que ingressar no mercado de trabalho vai ter a opção de ficar nesse regime que está aí (repartição) e vai ter opção de entrar na nova previdência. Uma vez que ele optou, é obrigatória a permanência”, destacou.

Lembrando que as contas serão vinculadas pelo CPF do trabalhador e serão escrituradas. “Ou seja, todo mês haverá aportes virtuais, sem recurso financeiro”, comentou o presidente da Abrapp. “Nossa primeira preocupação é que não tem lastro. Serão escrituradas a luz de títulos públicos, que vão suportar a correção dos benefícios e contas. O valor do benefício pelo que entendemos vai oscilar, e pode oscilar para menor”, exemplificou.

 Martins acredita que as contas nocionais não podem ser uma espécie de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) disfarçado. “Cadê o incremento da poupança no longo prazo?”, perguntou. “Vai ser feita a capitalização por 30 anos para usufruir por mais 20 ou 30 anos. É preciso implementar a poupança de longo prazo, permitindo financiamento. Então, a notícia é boa, mas essa preocupação de como vão funcionais as contas nocionais, se estarão vinculadas ao risco do governo. São 30 anos para ser acumulada e não vai gerar poupança de longo prazo”, acrescentou. 

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor