Focus: mudança na expectativa do mercado para juros no fim do ano

Nessa semana, a mediana das projeções para a taxa básica de juros ficou em 5,75%, diz Diário Matinal da Coinvalores.

Opinião do Analista / 12:42 - 17 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Bom dia!

.

Mercado revisa projeção para Selic - O destaque do Focus de hoje, que também traz revisões para baixo nas projeções do PIB e da inflação, é a mudança na expectativa do mercado para os juros no final desse ano, que há tempos estava estagnada nos 6,5%. Nessa semana, a mediana das projeções para a taxa básica de juros ficou em 5,75%. Vale lembrar que nessa semana o Copom se reúne e, apesar de não apostar em um corte, o mercado espera uma clara sinalização mais dovish da autoridade monetária. O IPC-S, medido pela FGV, variou 0,04% nessa semana, com destaque para deflação de alimentos, transportes e tarifa de eletricidade residencial. A saída de Levy do BNDES pode gerar algum ruído na abertura, mas os nomes especulados até agora para substituí-lo agradam muito o mercado e há ainda a promessa de Bolsonaro de reduzir os impostos em cima de produtos de tecnologia e a notícia do Estadão sobre descoberta da Petro (comentada abaixo), que são boas notícias.

.

Lá fora, FOMC é destaque nessa semana - A segunda-feira é de agenda externa bem fraca, com Bolsas perto do 0x0. Em Hong Kong, a vitória, ainda que parcial, dos manifestantes contra a lei de extradição para a China, fez o índice da Bolsa local fechar no campo positivo. Na Europa, a revisão para baixo do guidance de lucro da Lufthansa pressiona os papéis das aéreas locais. Mas o grande destaque nessa semana é a reunião da autoridade monetária americana, na quarta, quando o mercado aguarda uma sinalização mais clara de que os juros devem ser cortados na reunião de julho. As chances de um corte nessa semana são mínimas. Os comitês de política monetária do BoE e do BoJ também se reúnem nessa semana e também não devem mexer nos juros.

.

Descoberta de gás natural pela Petrobras (PETR4) - Segundo matéria do Estadão, os seis campos descobertos em águas profundas na Bacia de Sergipe, já anunciados ao mercado, possuem potencial para extração de 20 milhões de m³ de gás natural por dia, "o equivalente a um terço da produção total brasileira". Ainda de acordo com a matéria e cálculos da consultoria Gas Energy, a descoberta deve gerar R$ 7 bilhões de receita anual à Petrobras e suas sócias. Para tanto, a expectativa é de um investimento da ordem de US$ 2 bilhões ainda esse ano. A companhia, no entanto, não confirmou os números e alegou, apenas, que está realizando uma avaliação do potencial produtivo das áreas, estando previsto para esse ano um teste de longa duração em um dos campos. De toda forma, a notícia deve trazer ânimo para as ações da companhia.

.

Ferbasa (FESA4) anuncia nova redução de preços - O preço do ferro cromo alto carbono, que possui como benchmark o mercado europeu, foi definido em US$ 104 para o terceiro trimestre, valor que representa uma queda de 13% ante o período anterior e de quase 25% em um ano. Cabe lembrar que ligas de cromo foram responsáveis por quase 60% da receita total da companhia no 1T19. Portanto, seus papéis devem reagir de forma negativa à novidade.

.

Nova oferta pública da Notre Dame (GNDI3) - A companhia comunicou que o fundo Alkes II venderá parte de sua participação na companhia, algo em torno de 10% do capital da Notre Dame, em uma oferta secundária, podendo arrecadar até R$ 2 bilhões. Esse é o segundo follow-on da companhia depois de um ano do seu IPO. A precificação será nessa terça, em processo de bookbuilding. Como a oferta é secundária, os atuais acionistas não terão direito de subscrição. Com a oferta, a Bain Capital, que controla o fundo e tem hoje cerca de 40% da empresa, passará a ter algo em torno de 30%.

.

Copasa (CSMG3) anuncia proventos - Será distribuído JCP de R$ 0,1410 por ação, já líquido de IR, aos acionistas posicionados ao final dessa sexta-feira. Os papéis ficam ex na segunda, dia 24/06. O yield, entretanto, é pequeno, de 0,2% sobre a última cotação. Pagamento em até 60 dias.

.

Bons negócios!

.

Coinvalores

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor