Ferroviários decidem por fim da greve

São Paulo, São Paulo / 11 Abril 2017

Os funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) decidiram, em assembleia na tarde desta terça-feira, voltar ao trabalho após 17 horas de paralisação. A greve afetou a Linha 10-Turquesa e a Linha 7 - Rubi.
“Em respeito aos usuários, mas condenando a atitude arbitrária da CPTM, deliberamos a volta ao trabalho agora à tarde, de cabeça erguida, mas o sindicato está tomando todas as providências le-gais”, disse durante a assembleia o presidente do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, Eluiz Alves de Matos.
A categoria decidiu pela greve em assembleia na noite de segunda-feira. Eles reivindicam o pagamento do Programa de Participação de Resultados (PPR) de 2016. De acordo com o sindicato, o valor deveria ter sido pago em parcela única no dia 31 de março, já que os funcionários teriam atingido metas negociadas.
O dirigente sindical ressaltou ainda que o departamento jurídico do Sindicato vai dar entrada em uma ação de danos materiais coletivos contra a CPTM. Mais cedo, a CPTM divulgou nota infor-mando que considerou irresponsável a greve de seus funcionários.
A greve prejudicou cerca de 800 mil passageiros. De acordo com levantamento da companhia, a greve afetou 360 mil pessoas que usam diariamente a Linha 10 - Turquesa e 440 mil que dependem da Linha 7 - Rubi, que operou em velocidade reduzida.
A estação Prefeito Celso Daniel, na cidade de Santo André, era uma das mais tumultuadas no início da manhã. Os passageiros que precisavam embarcar para São Paulo reclamaram da falta de in-formações.