Fernández quer apoio do México para eixo progressista na AL

Fernández espera que López Obrador se junte também ao Grupo de Puebla, do qual participam cerca de 30 lideranças políticas de esquerda.

Internacional / 23:47 - 4 de nov de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Convencer o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador a participar ativamente da formação de um eixo progressista para a América Latina é o verdadeiro e principal motivo da primeira viagem de Alberto Fernández como presidente eleito da Argentina, segundo informações do jornal El País.
Fernández se reuniu nesta segunda-feira com o mandatário mexicano, a quem vê como aliado para fortalecer as formações de esquerda na região, desnorteadas depois de anos de reveses e que, após os protestos em diversos países e o triunfo de ambos os líderes, conseguiram um pouco de oxigênio. Fernández espera que López Obrador se junte também ao Grupo de Puebla, um centro recentemente criado do qual participam cerca de 30 políticos e que o presidente eleito da Argentina ajudou a formar.
Nos últimos meses, a América Latina protagonizou um dos mais intensos processos de convulsão social em décadas. Atingindo seu ponto mais alto nas manifestações que tomaram o Equador e o Chile no início de outubro, a crise que se alastrou por países da região também fez aparições no Haiti e no Peru, além de influenciar o resultado das eleições na Argentina.
Segundo Celso Amorim, ex-ministro das Relações Internacionais durante os governos de Itamar Franco e Luiz Inácio Lula da Silva, a onda de turbulências, assim como a vitória de Alberto Fernández na Argentina e a manutenção de Evo Morales na Bolívia, podem conduzir a região a um novo ciclo.
“Podemos voltar a ter processos de integração. Claro que qualquer ação sem o Brasil será incompleta, mas eu acho que vai mudar um pouco o clima na região […] Antevejo que a Argentina possa voltar a Unasul (União das Nações Sul-Americanas). Ela não foi encerrada, os países só foram saindo, mas Bolívia e Venezuela ainda eram membros”, disse à reportagem do Brasil de Fato.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor