Feminicídio cresce 167% em São Paulo

Outras ocorrências de violência subiram 51%.

São Paulo / 14:16 - 5 de nov de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os dados de dez áreas e 53 indicadores que mostram a realidade dos distritos do município de São Paulo através do “desigualtômetro” e que evidencia a diferença entre a melhor e a pior região para cada um dos indicadores, estão no Mapa da Desigualdade de 2019, lançado nessa terça-feira pela Rede Nossa São Paulo.

É importante frisar que entre as novidades desta edição estão o comparativo de violência contra a mulher, incluindo o feminicídio; violência homofóbica e transfóbica; e violência de racismo e injúria racial. Dados sobre educação, saúde, cultura, habitação e idade média ao morrer em cada um dos distritos da cidade também fazem parte dos indicadores que serão apresentados.

O estudo mostra que em relação à violência contra a mulher, os feminicídios aumentaram 167% em toda a cidade, e as ocorrências de violência, 51%. Os distritos da Sé e Barra Funda concentram as maiores taxas de ocorrência nos dois indicadores.

De acordo com o mapa, um dos principais destaques é a média de idade com que as pessoas morreram em 2018. Enquanto em Moema esse valor é de 80,57, em Cidades Tiradentes, é de 57,31, contabilizando mais de 20 anos de diferença entre os dois distritos.

Segundo o estudo, 11 dos 53 indicadores dispõem de um ranking de zeros, ou seja, distritos com números zerados em relação à oferta de equipamentos e acervo. Entre os três indicadores com maior número de zeros estão “Cinemas”, “Centros culturais, casas e espaços de cultura” e “Museus”.

Alguns dos indicadores que também se destacam são mortes no trânsito, gravidez na adolescência, mortalidade materna e mortalidade infantil.

A Rede Nossa São Paulo elabora e divulga anualmente, desde 2012, o Mapa da Desigualdade: estudo que apresenta indicadores dos 96 distritos da capital paulista, compara os dados, e revela a distância socioeconômica entre os moradores das regiões com os melhores e piores indicadores. Segundo a entidade, é uma ferramenta para gestão e planejamento municipal, que pode auxiliar os tomadores de decisão a identificar prioridades, carências e necessidades da população e seus distritos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor