Exportações chinesas sobem e importações caem em abril

Internacional / 07:26 - 9 de mai de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As exportações chinesas denominadas em iuanes subiram 4,1% anualmente em abril, enquanto as importações caíram 5,7%, mostraram os dados alfandegários no domingo. O dado elevou o superávit comercial mensal a 298 bilhões de iuanes (US$ 45,9 bilhões), em relação ao registro de 194,6 bilhões de iuanes em março, segundo os dados da Administração Geral de Alfândegas (AGA). O crescimento das exportações em abril foi muito mais moderado que a leitura de 18,7% em março, enquanto as importações caíram a um ritmo mais rápido em comparação com a baixa de 1,7% em março. O comércio exterior caiu 0,3% anualmente para 1,95 trilhão de iuanes em abril, enquanto o volume dos primeiros quatro meses reduziu 4,4% para 7,17 trilhões de iuanes. Durante os primeiros quatro meses, as exportações e importações caíram 2,1% e 7,5% anualmente, respectivamente, deixando um superávit comercial de 1,11 trilhão de iuanes, um aumento anual de 16,5%. O principal índice das exportações do país subiu 2,2 pontos para 33,8 em abril, com os subíndices de novos pedidos de exportação e a confiança dos gerentes crescendo ante março, o que indicou uma menor pressão sobre o crescimento das exportações no segundo trimestre, segundo a instituição. As vendas à União Europeia, o maior parceiro comercial da China, subiram 1,3% anualmente durante os primeiros quatro meses, mostraram os dados das alfândegas. No mesmo período, as exportações aos EUA e a Associação das Nações do Sudeste Asiático, o segundo e terceiro parceiro comercial da China, ambos caíram 3,5%. As compras chinesas de minério de ferro, petróleo e cobre registraram um forte aumento entre janeiro e abril, ou seja, 6,1%, 11,8% e 23,1%, respectivamente, enquanto caíram as importações de carvão, aço e petróleo refinado no mesmo período. País revisa antidumping sobre neoprene importado O Ministério do Comércio chinês iniciará na terça-feira uma revisão antidumping sobre o neoprene (borracha de cloropreno) importado do Japão, EUA e União Europeia. A revisão, que durará até 9 de maio de 2017, tem como objetivo investigar se o dumping continuará prejudicando a indústria chinesa de neoprene caso os impostos antidumping sejam revogados, disse um comunicado publicado na página oficial da pasta nesta segunda. Em maio de 2005, o ministério taxou em 2% a 151% o neoprene importado do Japão, EUA e UE, com um prazo de cinco anos. Os impostos antidumping foram prorrogados por cinco anos em 2011 e expiraram hoje. As medidas antidumping continuarão em vigor durante a revisão, segundo o comunicado. O neoprene é usado principalmente em cabos elétricos e produtos à prova d'água. Com informações da Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor