Exportação mundial de café verde soma 100 milhões de sacas em 10 meses

Participação brasileira nas exportações de café foi de 32%, Vietnã 22% e Colômbia 11% no período de outubro de 2018 a julho de 2019.

Internacional / 16:24 - 13 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No período de outubro de 2018 a julho de 2019, as exportações mundiais de café verde atingiram um volume físico equivalente a 99,86 milhões de sacas de 60kg, desempenho que representa 91,3% do volume total de café exportado no mundo. O Brasil, maior produtor, exportador e segundo maior consumidor de café, exportou o equivalente a 31,83 milhões de sacas de café que representam um crescimento de 38,4%, em comparação com o mesmo período anterior, e, mais que isso, equivalem em termos globais a 31,9% de todas as exportações de café verde no citado período. As exportações do Vietnã, segundo maior produtor e exportador mundial de café, alcançaram 22 milhões de sacas, representando 22% do total. Quanto à Colômbia, terceiro maior produtor e exportador, as vendas ao exterior aumentaram 7,1% e somaram 10,52 milhões de sacas exportadas, que correspondem a 10,6% das exportações mundiais.

Com relação ainda ao panorama das exportações de café em nível mundial, apenas nestes 10 meses analisados, conforme mencionado, as vendas de café verde representaram 91,3% do total exportado, com um volume de 99,86 milhões de sacas de 60kg. A despeito desse expressivo percentual, registre-se que esse desempenho está ligeiramente abaixo do observado há três décadas, quando as exportações de café verde respondiam por cerca de 95% do total exportado, indicando assim que grande parte da agregação de valor continua a ser implementada nos países importadores.

Em contrapartida, as exportações de café solúvel somaram 9,06 milhões de sacas e responderam por 8,3% do total, enquanto que as de café torrado atingiram apenas 487,08 mil sacas, volume equivalente a 0,4% das exportações. Os dados e números estatísticos do desempenho da cafeicultura mundial que permitiram realizar estas análises tiveram como fonte principal o relatório sobre o mercado de café de agosto, da Organização Internacional do Café (OIC).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor