Exportação de serviços é o tema do ENAServ 2017

Negócios Internacionais / 3 abril 2017

O presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Roberto Jaguaribe; o secretário de Comércio e Serviços (SCS/Mdic), Marcelo Maia; e o superintendente da área de Comércio Exterior e Fundos Garantidores do BNDES, Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos, são alguns dos nomes confirmados para participar do Encontro Nacional do Comércio Exterior de Serviços – ENAServ 2017, dia 19 de abril, em São Paulo. “Exportar serviços para ampliar fronteiras” será o tema desta oitava edição do Encontro, que tem inscrições gratuitas e podem ser feitas no site www.enaserv.com.br/2017.

As perspectivas para as exportações de serviços” será o tema da palestra do secretário Marcelo Maia durante o ENAServ, que abordará também em seus painéis estruturas de suporte financeiro às exportações de serviços; os desafios e oportunidades para os exportadores de serviços; e as oportunidades nos mercados do Reino Unido e Canadá para serviços. Serão apresentados ainda cases de sucesso no painel internacionalização de empresas de serviços. Durante o evento haverá também um espaço para que empresários participantes do encontro e que registrem suas operações no Siscoserv possam tirar dúvidas com relação ao Sistema.

O ENAServ 2017 é promovido pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), em parceira com a Secretaria de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, com apoio da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP).

CNI defende acordo entre Mercosul e União Europeia

Atualmente, o país tem livre comércio com economias que representam menos de 8% das importações mundiais. Esse percentual subirá para 25% após a negociação com o bloco europeu. Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que o Brasil tem vantagem comparativa em 1.101 produtos para exportar para a União Europeia. No entanto, os europeus mantêm tarifas, cotas de importação ou barreiras não-tarifárias para 68% deles, o que reduz a competitividade nacional. A indústria espera que as negociações entre Mercosul e União Europeia, que ocorrem nesta semana em Buenos Aires, na Argentina, avancem e os dois blocos cheguem a um acordo com redução de barreiras ao comércio dos dois lados. A CNI lidera missão com 15 associações empresariais, que estão na capital argentina para apoiar as negociações.

Estamos nos reunindo com os negociadores dos dois blocos para reiterarmos o apoio às negociações. A CNI, com as outras três entidades empresariais de Argentina, Paraguai e Uruguai, entregou uma nota conjunta reforçando que o acordo deve servir para potencializar os fluxos de comercio e investimentos”, diz a gerente-executiva de Negociações Internacionais da CNI, Soraya Rosar. De acordo com a CNI, a corrente de comércio entre Brasil e União Europeia atingiu um pico de US$ 100 bilhões em 2011, quando o Brasil exportou US$ 53 bilhões e importou US$ 46 bilhões. Mas o valor caiu um terço, para US$ 64 bilhões, em 2016. O Brasil exportou US$ 20 bilhões a menos e comprou menos US$ 15 milhões dos países do bloco europeu. “A queda mais significativa ocorreu na exportação de produtos manufaturados”, diz o especialista em Negociações Internacionais da CNI, Fabrízio Panzini.

Faturamento do setor de máquinas cresce 14,5%

O faturamento do setor de máquinas e equipamentos somou R$ 4,86 bilhões de receita líquida em fevereiro, o que significou crescimento de 14,5% na comparação com janeiro. Os dados são da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). As exportações do setor em fevereiro somaram US$ 607,2 milhões, aumento de 36,2% em relação a janeiro e resultado 4,2% superior ao do mesmo mês do ano passado. As importações caíram 21,1% em relação a janeiro e 14% na comparação com fevereiro de 2016, alcançando US$ 887,7 milhões.

Acordo entre Brasil e Peru facilitará exportações

Novo acordo comercial entre Brasil e Peru vai facilitar exportações. A aprovação do Acordo de Ampliação Econômico-Comercial, firmado pelos dois governos e aprovado no Senado, estabelece liberalização de serviços e abertura dos mercados de compras públicas. Com a medida, as licitações peruanas de bens e serviços passam a estar abertas para as empresas brasileiras, bem como as licitações brasileiras estarão abertas para as empresas peruanas. Na área de serviços, os compromissos assumidos pelo Peru superam significativamente, em termos quantitativos e qualitativos, as obrigações em matéria de serviços que o País tem na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Criatividade será destaque na mostra Be Brasil

Um panorama do design contemporâneo brasileiro estará exposto na Universidade de Milão, de 4 a 9 de abril, durante a Semana de Design de Milão. Peças de 60 empresas brasileiras vão compor a mostra Be Brasil, organizada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), reunindo desde criações artesanais até a produção realizada em sintonia entre designers e grandes indústrias. A exposição Be Brasil vai apresentar produtos que destacam os principais atributos do design brasileiro: criatividade, inovação e sustentabilidade. Uma mistura de criações de designers já reconhecidos em premiações internacionais e peças de novos talentos estará representando a indústria brasileira de mobiliário, iluminação, rochas e cerâmicas.

Antonio Pietrobelli

editor@exportnews.com.br