EUA isentam de tarifas mais de 400 produtos da China

Decisão chega um pouco antes das negociações comerciais com Pequim.

Internacional / 21:08 - 20 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Casa Branca isenta temporariamente mais de 400 produtos chineses das tarifas ativadas no ano passado, como parte das disputas econômicas em andamento nos EUA com a China.

As exclusões abrangem uma ampla gama de produtos, incluindo canudos de plástico, filtros de café, trelas para cães e radiadores de automóveis, skates e motocicletas movidos a eletricidade, peças de aspiradores de piscina e bebedouros para animais de estimação, de acordo com documentos publicados nessa sexta-feira pelo Escritório do Representante Comercial dos EUA, e decorrem de mais de 1.100 pedidos de exclusão feitos por empresas e outras entidades.

 

Reunião

 

Os Estados Unidos e a China devem se reunir para negociações comerciais no próximo mês. As isenções não têm apenas o objetivo de aplacar Pequim, mas também ajudariam as empresas americanas afetadas pelas tarifas.

Segundo documentos do representante comercial dos EUA são estabelecidos três conjuntos de exclusões. O primeiro, baseado nas tarifas de US$ 200 bilhões em mercadorias implementadas em setembro passado, expirará em agosto de 2020. Outro conjunto, baseado nas tarifas de US$ 16 bilhões em mercadorias implementadas em agosto passado, expirará em setembro do próximo ano. Um terceiro conjunto de exclusões, baseado nas tarifas de US$ 34 bilhões em livros que entraram em vigor em julho passado, também expirará em setembro de 2020.

Na semana passada, a China anunciou que estava cancelando aumentos tarifários planejados da soja e da carne de porco norte-americanas. Dias antes, a China havia flexibilizado as tarifas de 16 produtos dos EUA, incluindo alfafa e óleos lubrificantes. Trump respondeu adiando um aumento planejado das tarifas em US$ 250 bilhões em produtos chineses até 15 de outubro para evitar conflitos com os planos de Pequim de comemorar o 70º aniversário da revolução chinesa.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor