Advertisement

Estudo mede nível de automação da indústria e do varejo no Brasil

A Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil apresenta o Índice de Automação do Mercado...

Conjuntura / 13 Abril 2018

A Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil apresenta o Índice de Automação do Mercado Brasileiro, um estudo inédito no mundo com o objetivo de medir o nível de automação no País. Dividido em duas frentes de apuração - empresas e consumidores -, o índice mensura a automação no Brasil e contou com o apoio da metodologia da GfK Brasil.

A frente de empresas contempla os setores da indústria e comércio/serviços, respeitando suas particularidades e similaridades. O índice também contempla outras aberturas como varejo e atacado, além do detalhamento por categorias de uso (bens de consumo duráveis, semiduráveis, não duráveis, bens intermediários e bens de capital). O método de estudo aborda seis itens avaliados em cada setor e o índice possui um intervalo de avaliação de 0 a 1.

Entre os setores, a indústria, com um índice de automação de 0,26, mostra-se mais automatizada do que o comércio/serviços, onde o índice é 0,19. O índice das pequenas indústrias é de 0,24, das médias é de 0,33 e das grandes é de 0,38. Comércio e serviços têm índices entre 0,18 e 0,30, de acordo com suas necessidades e porte de negócios. O estudo aponta que o país tem 0,22 de índice de automação para as empresas do Brasil.

Já na frente de consumidores - que também possui um intervalo para o índice de 0 a 1 e seis itens avaliados -, o índice de automação é de 0,17. Impulsionados principalmente pelo acesso à internet, o uso de tecnologias de automação é predominante entre os brasileiros de 25 a 44 anos. Eletrodomésticos e eletrônicos conectados e o uso de aplicativos também se destacam nessa faixa etária. O índice de automação para consumidores também é mensurado por classe social e sexo.

- Após um ano de diagnóstico do mercado nacional, a Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil publica esta pesquisa inédita que pode auxiliar empresas e seus decisores a conhecer melhor o cenário nacional em relação à adoção de tecnologias que impulsionam a automação, bem como a posse e utilização de produtos voltados à automação do consumidor - afirma Marina Pereira, gerente de Pesquisa & Desenvolvimento da entidade.