Advertisement

Enfraquecimento de May pode ser o fim do Brexit

Primeira-ministra britânica perdeu três votações importantes no Parlamento

Acredite se puder / 05 Dezembro 2018

A primeira-ministra britânica está presa numa luta de poder com o parlamento britânico. Após cinco dias de debate sobre o acordo para o Brexit, Theresa May perdeu três votações importantes, o que enfraqueceu sua posição de fazer acordo com a União Europeia. Como existe a grande possibilidade do parlamento britânico rejeitar o acordo que está sendo proposto, cresceram as chances da aprovação do “plano B” relativo ao Brexit. Isso significa que os membros do parlamento podem, juntamente com as autoridades, definir uma saída mais suave, o que pode significar a permanência no mercado único europeu, ou mesmo tentar parar totalmente o processo do Brexit. Conforme já foi revelado, o Reino Unido pode cancelar a sua saída e nem precisa do aval dos outros Estados-membros para abortar o Brexit.

Uma outra hipótese que pode ganhar força ao longo das próximas semanas é a de se realizar um segundo referendo que dê a possibilidade aos cidadãos de inverterem a decisão tomada. Esta foi a consequência da perda de duas votações. A terceira obriga a primeira-ministra a revelar um parecer jurídico sobre o Brexit, que May não queria tornar público. Porém, se a saída da UE for sem um acordo, haverá impacto imediato e severo na economia britânica, como já alertaram o Banco de Inglaterra e o Tesouro britânico. De acordo com responsáveis do Banco Central, os preços das casas podem subir até 30%, e a libra pode cair até 25% neste cenário.

 

Chineses proíbem lançamento de criptomoedas

Devido a grande quantidade de golpes, projetos fracassados e má reputação na imprensa, os operadores do mercado de criptomoedas querem substituir a captação de recursos através da Inicial Coin Offering (ICO) pela oferta de token securitizados (STO). Na China, a Indiegogo se animou para hospedar o novo sistema, mas foi desaconselhada por Huo Xuewen, chefe do Departamento Municipal de Finanças de Pequim, a não dar sequência nesse projetos, pois a operação é atualmente ilegal no país. Assim, nem os ICOs, nem os STOs podem ser negociados na China.

 

Prefeituras devem ficar longe das blockchains

Em novembro, Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro, anunciou que mandou estudar a utilização de criptomoedas nas finanças municipais. Anteriormente, a Prefeitura de Teresina havia comunicado que adotaria a utilização dos blockchain para controlar as suas contas. Esses prefeitos devem ter muito cuidado, pois quando alguém detém a maioria da capacidade de processamento da rede de uma blockchain (mais de 50% da taxa de hash) ele se torna capaz de reverter transações, lucrar com elas, e ainda manter unidades da criptomoeda consigo. Por causa disso, outro blockchain sofreu um ataque dos 51%. Desta vez, houve a invasão da moeda virtual Vertcoin (VTC), mas roubaram pouco, apenas US$ 100 mil, cerca de R$ 380 mil.

De acordo com Mark Nesbitt, que trabalha como engenheiro de segurança na Coinbase, os cibercriminosos alugaram uma grande quantidade de hashes para atacar a rede. E conseguiram mais de 50% da taxa de hash de mineração, o que lhes permitiu o comando da plataforma. Com esse domínio, o minerador pode criar blocos separados de qualquer bloco anterior, criando duas versões do mesmo blockchain. Caso a nova versão criada comece a produzir mais blocos do que o resto da rede, isso pode levar a uma situação denominada reorganização de cadeia. A situação pode piorar se o criminoso possuir um grande número de criptomoedas, ele também poderá lançar um ataque de gasto duplo na rede. E pode iniciar, então, uma transação na cadeia principal, mas também pode replicar a mesma transação na cadeia alternativa. Como resultado, ambas as transações enviam a mesma criptomoeda e somente uma delas pode ser confirmada enquanto a outra permanece inválida. Que coisa de doido.

 

Trump desmotiva especuladores

Na véspera da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, em Viena, Donald Trump voltou a pressionar o cartel no sentido de não efetuar mais cortes na produção com a intenção de fazer subir as cotações da matéria-prima. Através do Twitter, o presidente dos Estados Unidos afirmou que o mundo “não precisa” nem “quer ver” preços mais elevados. E os especuladores, que estavam todos alegrinhos, fazendo a cotação do barril de Brent ter uma valorização de até 2%, rapidamente ficaram quietos, e os ganhos foram reduzidos para 0,48% na base de US$ 62,38.