Enaex está com inscrições abertas

Negócios Internacionais / 16:01 - 23 de mai de 2011

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A 30ª edição do Encontro Nacional de Comércio Exterior - Enaex 2011, realizado pela Associação de Comércio Exterior do Brasil - AEB, está com as inscrições abertas. O evento acontecerá nos dias 18 e 19 de agosto de 2011, no Armazém 2 do Píer Mauá no Rio de Janeiro. O encontro é o mais tradicional e representativo evento de comércio exterior do País, e nesse ano tem como lema "Competitividade no Comércio Exterior Brasileiro". O objetivo é fomentar o diálogo entre empresários e autoridades do governo, na busca de soluções para os problemas enfrentados pelos exportadores e importadores brasileiros, e pelos diversos agentes e operadores que atuam no comércio internacional. O Enaex 2011 buscará apresentar propostas concretas para a eliminação das barreiras ao comércio externo do país e de medidas para o seu crescimento sustentável. Segundo o presidente da AEB, José Augusto de Castro, a questão a ser debatida é como remover os empecilhos externos e internos para chegar à modernização competitiva e manter a abertura econômica. "Visamos facilitar a adoção de políticas e ações em favor da expansão do comércio exterior do Brasil" afirma. Informações: (21)2544-0048.- www.enaex.com.br Superávit cresce 86% A balança comercial vai registrando bons resultados. No acumulado do ano, superávit totaliza US$ 7,775 bilhões, com média diária de US$ 81 milhões. No mesmo período de 2010, o superávit foi de US$ 4,180 bilhões, com média de US$ 43,5 milhões. Pela média, houve aumento de 86% no comparativo entre os dois períodos. A corrente de comércio somou US$ 167,565 bilhões, com média diária de US$ 1,745 bilhão. O valor é 29,6% maior que a média aferida no mesmo período no ano passado (US$ 1,346 bilhão). E em maio o saldo comercial está positivo em US$ 2,746 bilhões (média diária de US$ 183,1 milhões). A média diária do saldo no mês está 11,5% superior à de maio do ano passado (US$ 164,2 milhões) e 86,7% maior que a de abril deste ano (US$ 98,1 milhões). Sebrae na Copa 2014 Nesta terça-feira, o Sebrae/RJ e a Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc) abrem inscrições para empresas organizadoras de eventos associadas à associação participarem do projeto Copa 2014, que visa preparar micro e pequenas empresas para aproveitarem as oportunidades geradas pelos eventos esportivos que serão realizados no Brasil nos próximos anos. Mais informações e inscrições para a palestra pelo telefone 0800-570-0800 ou pelo e-mail copa2014@sebraerj.com.br. Importação de mão-de-obra Nos próximos anos, o Brasil passará por uma escassez de mão-de-obra de engenheiros. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), se a economia brasileira apresentar crescimento médio de 3,5% ao ano, o estoque de profissionais não será suficiente para atender a demanda já em 2015. Somente em 2010 o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) foi de aproximadamente 6%. Atualmente, o Brasil forma de 30 a 35 mil engenheiros por ano, mas a demanda é de 60 mil. A solução para atender o número de projetos do país, tem sido a contratação de estrangeiros. De acordo com a Coordenação Geral de Imigração do Ministério do Trabalho e Emprego (CGIg-MTE), o número de profissionais estrangeiros no país tem crescido consideravelmente. No primeiro semestre de 2010, foram concedidos 22.188 vistos de trabalho, no mesmo período de 2009, 18.669. Investimentos no Superporto do Açu A LLX, empresa de logística do Grupo EBX, do empresário Eike Batista, já investiu mais de R$1,7 bilhão no Superporto do Açu, em construção no município de São João da Barra, norte do Estado do Rio de Janeiro. A construção adiantada e a licença ambiental para o canal onshore capacitam o empreendimento entre os maiores complexos portuários do mundo. O Superporto vai atender às necessidades de logística e suprimento das atividades de exploração e produção de óleo e gás na Bacia de Campos. O TX1 é dedicado à movimentação de minério de ferro e petróleo enquanto que o TX2 atende às demandas de carga e descarga das diversas indústrias do Complexo Industrial Portuário do Açu através de contratos take or pay, com destaque para produtos siderúrgicos, carvão, coque de petróleo, ferro-gusa, escória e granito. No total serão investidos no Superporto do Açu R$3,4 bilhões, pela LLX Minas Rio e a LLX Açu, no empreendimento que está sendo construído no norte do Estado do Rio de Janeiro. Desde o início de 2007, já foram investidos R$ 1,7 bilhão na construção do empreendimento. O Complexo Industrial do Superporto do Açu deve atrair investimentos, para instalação de várias indústrias, de U$ 40 bilhões. Certificados de origem A Portaria 16 da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) prorroga até 30 de novembro de 2011 o prazo para que as entidades privadas emissoras de certificados de origem adotem um sistema de processamento online. Entre outras vantagens, o novo procedimento irá possibilitar maior rapidez e segurança para o exportador no serviço de emissão de certificados de origem preferenciais. O sistema de emissão deverá estar em conformidade com o conjunto de especificações, padrões e procedimentos técnicos da Certificação de Origem Digital (COD), definidos pela Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), seguindo critérios internacionais Urgência na reforma tributária A pressão competitiva resultante da globalização exige avanços urgentes no desenho de um novo sistema tributário no país, alerta o gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco. Segundo Castelo Branco, a "babel tributária" em vigor representa custos que reduzem a competitividade dos produtos brasileiros. "O sistema tributário brasileiro é a nossa jabuticaba. O Brasil não pode ter um sistema tributário tão diferente dos nossos competidores e com tantas disfunções. Existe a necessidade de adequar o país às exigências da integração de mercados", enfatizou. Um exemplo da diferenciação do sistema tributário brasileiro mencionado por Castelo Branco é a inexistência do IVA, o Imposto sobre Valor Agregado. "O Brasil está atrasado na implantação de um IVA único. É um dos poucos países que não harmonizou sua tributação sobre o consumo e circulação de mercadorias e serviços", observou. Carne brasileira na China Terminou, nesta sexta-feira, em Xangai, a 11ª feira Sial China 2011, um dos maiores eventos de alimentos e bebidas do país. Durante os três dias da feira, fabricantes nacionais e internacionais de produtos alimentícios e vinhos promoveram suas mercadorias para as 35 mil pessoas que visitaram o evento. O público foi 21% maior que o registrado na edição de 2010. No estande do Brasil, os visitantes conheceram a excelência da carne brasileira, degustando um churrasco oferecido por um grande frigorífico nacional. Ao todo, 180kg carne bovina foram servidas no espaço brasileiro. Antonio Pietrobelli editor@exportnews.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor