Empresas chinesas podem estabelecer recorde de ‘defaults’

Governo volta a estimular empréstimos para pequenas e médias empresas.

Acredite se Puder / 18:00 - 8 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Nos primeiros quatro meses deste ano, as empresas chinesas atrasaram o pagamento de cerca de US$ 4,5 bilhões em obrigações, um valor 3,4 vezes superior ao do mesmo período do ano passado, segundo a Bloomberg Por causa disso, os analistas passaram a admitir que neste ano será estabelecido um novo recorde de defaults no mercado de obrigações de US$ 13 bilhões da China. O volume dessa dívida é mais do que o triplo do registado em 2016, ano em que os defaults se concentraram mais na primeira metade do ano, ao contrário de 2018.

Para evitar tal situação, o governo chinês pressiona os bancos para aumentarem o crédito ao setor privado, em especial às pequenas e médias empresas, o que significa uma reviravolta na sua campanha de redução da alavancagem. A última medida neste sentido surgiu precisamente na última segunda-feira, quando o governo anunciou um alívio nas exigências de capital para os bancos. Porém, aumentou o combate à banca sombra, onde as decisões de crédito são tomadas com menos supervisão regulatória e onde é mais fácil aumentar o nível de alavancagem.

Entre os cinco maiores grupos com problemas de saldar suas dívidas se encontra o China Minsheng Investment Group, banco chinês fundado em 1996 e que esteve na corrida pelo Novo Banco português. Os investimentos desse grupo, que vão desde a saúde à aviação, foram financiados em grande parte através de recursos obtidos no sistema bancário sombra. A empresa surpreendeu os investidores ao falhar um pagamento no final de janeiro, e outro no final de abril, que acabou por ser regularizado dois dias depois.

 

LuizaCred ultrapassa o Nubank nos cartões

Os analistas estão acompanhando com maior atenção o desempenho dos serviços financeiros das varejistas brasileiras que atuam no e-commerce. Houve destaque para o fato de que a LuizaCred, braço financeiro do Magazine Luiza, ter se tornado na maior operadora de cartões de crédito, ultrapassando a Nubank, a fintech mais popular do mercado brasileiro O interessante é que essa subsidiária foi criada em 2001, a partir de uma associação com o então Unibanco. Mas o crescimento realmente só aconteceu com as medidas tomadas no ano passado, e o balanço trimestral aponta um crescimento de 48,3% na carteira de empréstimos, que se situou na faixa de R$ 8,8 bilhões.

Todo o crescimento da Luizacred, no entanto, teve pequeno impacto negativo para o balanço do Magazine no primeiro trimestre, pois registrou prejuízo de R$ 900 mil, contra lucro de R$ 38 milhões em igual período do exercício anterior. Essa perda foi consequência do aumento nas provisões para o enquadramento no padrão internacional de provisão de crédito, o IFRS 9, e também pelas provisões para cobrir o crescimento no número de clientes.

 

Ações da Petrobras sobem mais de 4%

O resultado trimestral da Petrobras não causou surpresa para nenhum analista e, por essa razão, as ações da empresa chegaram a ter valorização superior a 4%. Todos esperavam uma redução no resultado por causa da redução de 4% na produção de petróleo, devido às inúmeras paradas para manutenção das plataformas da empresa. Os técnicos se concentraram no fato de que, apesar das dificuldades enfrentadas no período, como a queda nos preços do petróleo e da produção menor, a empresa teve forte geração de fluxo de caixa.

Agora, os departamentos de análise dos principais bancos têm a expectativa de um forte crescimento da produção nos próximos meses, que deve aumentar a geração de caixa; e desinvestimentos, desencadeando a transferência de valor de dívida para capital. Atenção: das 11 instituições de análise acompanhadas pela Bloomberg, nove recomendam compra dos papéis da estatal, enquanto duas estão neutras e nenhuma fala em venda de ações. Enquanto isso, o preço-alvo médio para as ações preferenciais é R$ 32,20, o que representa uma alta de 18%.

 

Serviços financeiros crescem na internet

O argentino MercadoLibre (aqui Mercado Livre) anunciou que os serviços financeiros serão o carro-chefe de crescimento no Brasil. Seu braço financeiro, Mercado Pago, obteve licença para atuar como instituição de pagamento e já oferece conta digital, cartão de crédito e maquininha.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor