Advertisement

Emprego é desejo para 78% dos brasileiros em 2019

De acordo com dados do Google, durante o período entre dezembro e janeiro, a busca por emprego chega a ter crescimento de 50%

Conjuntura / 16:32 - 10 de Jan de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Segundo dados levantados pela Catho, realizada com mais de 5 mil respondentes, 78% das pessoas estão realmente em busca de um novo emprego, enquanto 27% afirmam que 2019 será o ano em que irá focar em ter mais qualidade de vida.

Considerando que a chave para realização das promessas está realmente atrelada à empregabilidade, dados do Google mostram que as buscas pelos assuntos "vagas de emprego" e "novo emprego" em janeiro de 2018 cresceu 50% em relação a dezembro de 2017. O mês de janeiro de 2018 teve ainda 23% maior volume nas buscas desses assuntos se comparado à média geral de 2018.

A pesquisa da Catho traz ainda outros fatores relevantes para os brasileiros neste início de ano: 17% deseja começar um novo curso profissionalizante, 16% quer começar a se exercitar, 14% estudar um novo idioma e 8% investir em viagens.

Para a assessora de Carreira da Catho, Luana Marley, fica claro que com a chegada do ano novo as pessoas se sentem mais encorajadas a tomarem algumas decisões. "A maior dificuldade encontrada é manter o estímulo ao longo dos meses. Para isso, é necessário que esse profissional esteja sempre mantendo a chama acesa. Mesmo sem certezas, a busca por novas oportunidades de trabalho, por meio do envio de currículos, deve ser contínua. Diante de uma boa oportunidade, a chance de ele se encorajar é muito maior", afirma a profissional.

Dentre os impedimentos para a realização dos projetos, 58% das pessoas afirmam que atribui o insucesso das metas ao fato de não possuir um emprego, enquanto 37% à falta de dinheiro. Inclusive, ganhar mais também foi observado como uma dos desejos dos brasileiros, uma vez que o dinheiro é um dos bens indispensáveis para boa parte das promessas.

Diferentemente do cenário de desemprego, para aqueles profissionais empregados, as maiores barreiras para trocar de emprego está atrelada ao medo. Segundo dados da Catho, 38% atribuem à grande concorrência do mercado, enquanto 22% não sentem que têm um currículo competitivo; 13% têm receio de perder a estabilidade e 11% realmente têm medo de arriscar.

 

Mais da metade dos profissionais recebou aumento acima da inflação

Mais da metade dos profissionais receberam aumento acima da inflação. É o que revela recente o levantamento realizado pelo PageGroup. De acordo com o estudo, foi registrado ganho real salarial em 51% dos cargos avaliados em relação ao mesmo estudo do ano passado. Os casos de reposição salarial ou manutenção representaram 35% dos cargos enquanto aqueles que registraram queda somaram 14% das posições. Dos 513 cargos analisados, os que apresentaram os maiores acréscimos na remuneração foram Business Partner (RH), com 40%; Analista de Expansão (Saúde e Life Science), 40%; e Gerente de Operações (Supply Chain & Operações), 35%.

Além do tradicional mapeamento de salários, neste ano o PageGroup entrou em contato com cerca de 6 mil profissionais de todo o Brasil para entender quais são suas reais impressões sobre o mercado atual. Os executivos consultados ocupam cargos que vão desde posições de suporte à gestão (Page Personnel) até alta e média gerência (Michael Page). A empresa procurou entender como os profissionais exergam sua carreira, a possição do empregador no seu desenvolvimento profissional e outros fatores que completam a remuneração.

Para elaborar o estudo, o PageGroup consultou neste ano 6 mil profissionais de todo o Brasil para entender quais são suas reais impressões sobre o mercado atual. A partir dessa consulta, a companhia conseguiu traçar a remuneração mensal de 513 cargos em 14 setores.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor