Advertisement

Economia da Zona do Euro terá crescimento menor

Presidente do Banco Central europeu já admite que o momento é de descida.

Acredite se puder / 28 Janeiro 2019 - 17:32

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O crescimento da economia do Mercado Comum Europeu não confirma o que estava previsto pelos analistas. Por causa disso, Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, afirma que a persistência das incertezas globais e a tensão comercial entre os EUA e a China têm peso muito grande para a Zona do Euro. E já admite que o abrandamento será maior que o previsto e a recuperação levará mais tempo que o projetado. Foi este cenário que levou o banco central a não alterar a política monetária na semana passada e Mario Draghi a alterar a linguagem. Agora, o presidente do banco admite que os riscos para o crescimento estão “voltados para a descida”.

 

Ingleses não liberam ouro dos venezuelanos

O Banco da Inglaterra, atendendo aos conselhos dos norte-americanos, não liberou US$ 1,2 bilhão em ouro para Nicolás Maduro que tenta repatriar a fortuna ao país. De acordo com a Bloomberg, a decisão do Banco da Inglaterra ocorreu depois que altos funcionários dos EUA persuadiram os britânicos a ajudar no corte de ativos de Maduro no exterior. Segundo fonte anônimas citadas pela agência, dentre eles estava o secretário de Estado, Michael Pompeo, e o conselheiro nacional de segurança, John Bolton.

 

Pharol ficará com 5,51% do capital da Oi

Depois de concluídas todas os termos do acordo celebrado entre a Pharol e a Oi, mas que ainda depende da concordância da justiça brasileira, a empresa portuguesa deverá ficar com 5,51% do capital da operadora brasileira. Assim, a Pharol acompanhou o aumento de capital da Oi, subscrevendo 127.548.955 novas ações. Além disso, receberá 85.721.774 ações resultantes do pagamento de 25 milhões de euros feito pela Oi. Com recursos próprios, os portugueses assumiram mais 41.827.181 novas ações.

 

Chineses não gostam do bitcoin

Patrocinado pela China, o ranking das principais criptomoedas negociadas no país coloca o bitcoin em 15º lugar. A EOS segue em 1º, a blockchain melhor classificada desde junho. Feita desde maio de 2018, a lista é do Centro de Informação e Desenvolvimento da Indústria da China.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor