Duro alerta do BC chinês derruba bitcoin

Nas últimas 15 sessões, a moeda virtual perdeu valor em 14.

Acredite se Puder / 19:04 - 25 de nov de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Na última sexta-feira, o Banco Central chinês avisou que atacaria um ressurgimento de atividades ilegais em torno de moedas virtuais, alertando os investidores para não confundirem criptografia com a tecnologia blockchain e pediu para que sejam corrigidos comportamentos inapropriados. Assim, por causa das questões regulatórias, que também estão sendo adotadas em diversos países, a bitcoin, nesta segunda-feira acentuou a tendência negativa das últimas sessões numa sequência recorde de desvalorizações, e chegando a cair 11%, quando atingiu US$ 6,6 mil, cotação mínima dos últimos seis meses. Depois houve recuperação e as perdas foram reduzidas para 6,39% e voltou para US$ 6.874,38.

Nas últimas 15 sessões, a bitcoin perdeu valor em 14. Nestas, perdeu mais de 30% do seu valor, afastando-se cada vez mais da barreira dos US$ 10 mil a que negociava no final do mês passado. A China tem tomado várias medidas para reduzir a popularidade das criptomoedas entre os investidores chineses, visando sobretudo acabar com operações ilegais relacionadas com este mercado.

 

Prisão de executivos derruba fundo imobiliário

As cotas do fundo imobiliário GGR Covepi Renda registravam queda de até 9%, mas que foram reduzidas para 5,4% nesta segunda-feira, depois de ser divulgada a prisão dos principais executivos de sua gestora, a Supernova Capital. O caso é relacionado à Operação Máfia das Falências, dos Ministérios Públicos de Goiás e Paraná, que investigam irregularidades em processos de recuperações judiciais. Segundo a acusação, o grupo teria realizado fraudes em recuperações judiciais e falências, buscando apropriação, desvio e ocultação de bens da recuperação judicial, para prejudicar credores. Também teria sonegado e omitido informações com o fim de induzir a erro o Judiciário, o Ministério Público, os credores e o administrador judicial.

 

XP faz cobertura das rodovias

A XP Investimentos iniciou a cobertura do setor de rodovias, com recomendação de compra para as ações da Ecorodovias e recomendação neutra para CCR. Segundo o relatório, o preço-alvo da Ecorodovias é de R$ 17, com potencial de alta de 17%, enquanto para CCR o preço-alvo é de R$ 18,80, com potencial de aumento de 10%. A preferência é pelas ações da Ecorodovias, baseada nos múltiplos relativamente mais atrativos; no maior duration (duração) do portfólio; e no crescimento esperado superior nos indicadores financeiros no curto e médio prazos, refletindo a aceleração do tráfego aliada à maturação de ativos incorporados recentemente. Quanto à CCR, acham que a maioria dos seus projetos já está em um estágio maduro, o que permitirá geração de caixa saudável nos próximos anos.

 

Totalidade de acionistas do Exito venderam ações

A Bolsa de Valores da Colômbia revelou que 96,57% dos acionistas do Almacenes Éxito aceitaram a oferta pública de aquisição das ações de emissão lançada pela Sendas Distribuidora, controlada pelo GPA. A operação envolveu 7,78 trilhões de pesos colombianos, valor equivalente a R$ 9,5 bilhões, e a liquidação ocorrerá em 27 de novembro de 2019.

 

Recompras da CVC invertem a baixa

Depois que suas ações sofreram desvalorização de quase 17%, neste mês, tiveram pequena recuperação de 0,48% e voltaram para R$ 42,09, após a CVC anunciar a recompra de ações. A empresa fará um programa de recompra em uma única operação ou em uma série de operações de até 7,25 milhões de ações, o que significa 5% do total de títulos em circulação, O prazo máximo para a realização das aquisições é de 18 meses, até 18 de maio de 2021.

 

China eliminará impostos da carne brasileira

Fernando Galletti de Queiroz, CEO da Minerva, falou em São Paulo, que Pequim autorizou empresas estatais a importar carne bovina da América do Sul sem aplicação de imposto de importação de 24%. Por causa disso, as ações dos frigoríficos registraram alta de 5% a 9%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor