Advertisement

Duas empresas chinesas assustam mercado financeiro mundial

Dívidas não pagas somam cerca de R$ 3,5 bilhões; dívida total vai a R$ 128 bi.

Acredite se puder / 11 Fevereiro 2019 - 17:17

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A China Minsheng Investment Group, empresa de investimentos que atua principalmente na área das energias renováveis e no setor imobiliário, desde o dia 1º de fevereiro deixou de pagar juros aos obrigacionistas. Além disso, a Wintime Energy, que já não havia honrado seus compromissos ano passado, voltou a falhar, na semana passada, o plano de pagamentos da reestruturação da sua dívida. As duas empresas têm um elevado nível de dívida, e os seus problemas sugerem que os esforços do governo para amparar os processos de desalavancagem não beneficia todas as que enfrentarem problemas.

Se a China Minseng entrar em default e juntar-se à Wintime Energy no topo do ranking dos maiores colapsos chineses, representarão uma dívida total de 232 bilhões de iuanes, o que significa cerca de R$ 128 bilhões. Analistas garantem que o crescimento das empresas chinesas nos últimos anos tem sido pela emissão de dívida, geralmente empréstimos de curto prazo, mas os seus ciclos de investimento são geralmente de longo prazo. Os colapsos recentes mostram que as empresas têm dificuldades em cumprir com as suas obrigações, apesar das recentes medidas de flexibilização.

A China Minsheng Investment não reembolsou obrigações no valor de 3 bilhões de iuanes que venceram em 29 de janeiro, enquanto a Wintime Energy comunicou aos investidores que tenta obter financiamento para pagar 20% de uma emissão de obrigações de 3,8 bilhões de iuanes. A empresa que atua na área da mineração de carvão protagonizou o segundo maior default de 2018, quando se viu incapaz de cumprir o serviço da sua dívida, que quadruplicou em menos de cinco anos.

 

Noruega perde quase 60 mi de barris de petróleo

A Direção Norueguesa de Petróleo (NPD) estima agora que a oferta cairá, em 2019, com a cotação do produto atingindo o nível mais baixo dos últimos 31 anos, e a produção deve se fixar em 60 milhões de barris abaixo da anterior previsão para este ano e 2018. São menos 80 mil barris por dia do que o esperado. A paralisação para manutenção deve influir nas atualizações mensais. Em 2016, quando a produção ultrapassou as projeções em 6%, as petrolíferas reduziram as interrupções para manutenção. Insistiram, na altura, que as reduções se deviam a ganhos de eficiência e que não criavam atraso.

Essa queda abrupta na produção norueguesa é apenas temporária. Os técnicos creditam que o país terá um aumento espetacular na produção em 2020 graças ao campo Johan Sverdrup, da Equinor, que deverá começar a produzir em novembro deste ano. Com 3,2 mil milhões de barris em reservas de petróleo e uma produção de 440 mil barris por dia na sua primeira fase, o gigantesco campo do Mar do Norte deverá contribuir em 2020 para o maior aumento anual da produção da Noruega desde os anos 1980.

 

Brexit afetará o emprego de 600 mil pessoas

O Brexit duro provocará queda das importações provenientes da União Europeia para o Reino Unido e ameaça mais de 600 mil postos de trabalho no mundo, diz estudo alemão. 179 mil empregos na UE serão afetados e 433 mil postos adicionais são ameaçados indiretamente em todo o mundo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor