Advertisement

Dos Braços de Araribóia aos do Estácio de Sá

Como coordenador da campanha de Ciro Gomes no estado do Rio, o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, estará na cerva, ganhando...

Decisões Econômicas / 22 Junho 2018

Como coordenador da campanha de Ciro Gomes no estado do Rio, o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, estará na cerva, ganhando musculatura, para ser catapultado dos braços do índio Araribóia aos do fidalgo Estácio de Sá.

Tal qual Moreira Franco, o Gato Angorá de Brizola, que foi deputado federal (Rodrigo não chegou lá), prefeito de Niterói, governador e ministro de Estado e, como o Cardeal Richelieu na França Monarquista, eminência parda de sua Majestade Luís XIII, Rodrigo pretende influir nesse palco.

A grande diferença é que Moreira tinha o Comandante Amaral Peixoto e também um Richelieu, Hamilton Xavier, enquanto Rodrigo Neves conta apenas com a determinação, a ousadia e a coragem de Araribóia, sem o sê-lo jamais.

Movimentação Financeira

O governador Luiz Fernando de Souza Pezão assinou o decreto 46.321, em 25 de maio, mas publicado no D.O. de 12 deste mês, abrindo um crédito suplementar de R$ 486,468 milhões, incluindo três anexos estabelecendo novos limites de movimentação financeira, através de empenhos, para algumas secretarias e órgãos públicos.

Dos valores suplementados, R$ 143,198 milhões são destinados a obras de reurbanização da Rocinha, Zona Sul do Rio; R$ 97 milhões para obras e manutenção de atividades da secretaria estadual de Educação; R$ 115 milhões ao RioPrevidência; e R$ 25 milhões para o Programa de Saneamento Ambiental dos municípios do entorno da Baia de Guanabara (PSAM).

De acordo com o decreto, o RioPrevidência foi autorizado a movimentar R$ 17,897 bilhões, dos quais R$ 12,466 bilhões com a folha de pagamento e encargos sociais. Além disso, o Detran foi autorizado a movimentar R$ 1,003 bilhão, com uma folha de pagamento e encargos sociais de R$ 344,306 milhões; o Fundo Estadual de Saúde, R$ 5,431 bilhões e uma folha de pagamento e encargos sociais de R$ 643, 775 milhões; a Fazenda, R$ 7,156 bilhões e R$ 352,536 milhões da folha e encargos sociais; e a Uerj, R$ 1,249 bilhão e R$ 849,887 milhões da folha e encargos sociais.

A análise desses números mostra que o estado do Rio, pelo menos em alguns aspectos, começa a sair da crise e isto, em verdade, pode ser a chave da porta da esperança para Pezão, que não estaria morto politicamente.

Concessionárias

O presidente em exercício da Assembleia Legislativa fluminense, deputado André Ceciliano, promulgou a lei 7.968/2018, resultante do projeto da autoria do deputado Gilberto Palmares, determinando que os funcionários de concessionárias que fazem serviços, entre outros, de manutenção de telecomunicações, não poderão ser multados ao estacionar em locais proibidos.

Contratos Emergenciais

A prefeitura do Rio, segundo a presidente da Comissão de Orçamento, Fiscalização Financeira e Controle do legislativo carioca, Rosa Fernandes, tem 12 contratos emergenciais na Educação, totalizando R$ 17,5 milhões, dos quais foram pagos 40% de seus valores contabilizados.