Dilma: governo não faz ajustes que comprometam o futuro do país

Política / 13:25 - 9 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A presidente Dilma Rousseff voltou a defender hoje as medidas de ajuste que o governo tem adotado para reequilibrar as contas públicas. Ela disse que o governo não faz ajustes "para cortar o futuro do país e acabar com os programas fundamentais". - Reafirmo que, mesmo em momento de crise e de dificuldade pelo qual nós passamos, é importante entender para que nós fazemos ajustes. Nós não fazemos ajustes para cortar o futuro do país e para acabar com os programas fundamentais. Fazemos ajustes para preservar aquilo que nós precisamos preservar porque constitui o caminho do futuro - afirmou Dilma, durante a solenidade de lançamento da nova etapa do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), com meta de 2 milhões de vagas em 2016. Segundo a presidente, a intenção do Pronatec é criar oportunidades para o país com empregos melhores e produção mais competitiva. - Estamos criando um caminho de oportunidades para o país, que precisa deste investimento para ultrapassar este momento e voltar a crescer, mas voltar a crescer com melhor qualidade e maior capacidade de inovação. Queremos mais e melhor. A arte da despesa pública é olhar sempre para onde você está gastando e procurar fazer mais com menos e focar - acrescentou. Do total de 2 milhões de vagas oferecidas este ano, 372 mil estão previstas para cursos técnicos e 1,627 milhão para cursos de qualificação profissional. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), um dos destaques desta etapa do programa é o fortalecimento do Pronatec EJA (Educação de Jovens e Adultos). A ideia é que os jovens e adultos que interromperam seus estudos tenham a oportunidade de participar do programa, tendo seus conhecimentos - oriundos do trabalho e de experiências anteriores - valorizados e aproveitados ao longo dos cursos. O MEC também informou que os estudantes poderão optar pelo e-Pronatec, que permite à pessoa estudar online onde e quando preferir, de acordo com sua disponibilidade. Segundo a pasta, o aluno vai estudar por meio de plataformas digitais, simuladores, animações e outros métodos de aprendizagem na internet, na TV Escola e em outros canais educativos, oferecidos principalmente pelos institutos federais e pelo Sistema S. O Pronatec foi criado em 2011 pelo Governo Federal com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica. De 2011 a 2015, o Pronatec registrou 9,4 milhões de matrículas entre cursos técnicos e de qualificação profissional. No ano passado, foram 1,3 milhão de matrículas. Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor