Advertisement

Dia do Agente de Defesa Ambiental

Direito Ambiental / 06 Fevereiro 2018

Retornando as minhas colunas, após férias, reinauguro com uma dedicação exclusiva, nos próximos textos, a todos aqueles que se dedicam constantemente ao auxílio do meio ambiente e com a defesa da qualidade da natureza. Em 6 de fevereiro, comemora-se o Dia do Agente de Defesa Ambiental. De um lado situamos aqueles que dedicam servir, muitos em uma tênue atividade do dia a dia. Simples exemplos dão a ideia desta ajuda, como apagar os cigarros jogados, evitar o risco causado por pequenas fogueiras abandonadas por aqueles que não têm nenhum interesse de proteção da nossa natureza. São pessoas que, por suas estruturas, combatem os danos que possam surgir, mesmo com pequenas consequências, mas se não forem logo combatidos poderão causar um mal bem maior a própria sustentabilidade.

Por outro lado, existem profissionais dedicados em permanente vigília protetora do desenvolvimento e conservação da nossa fauna e da nossa flora. Estes profissionais dedicam-se a exercer uma série de funções voltadas a proteção oficial do ambiente, conservando suas áreas e evitando as atividades nocivas que acarretam a perda de recursos naturais muitas vezes em caráter essencial em referência as áreas consideráveis, cuja, reposição torna se muitas vezes incabível de ocorrer, os atos predatórios em grande parte com interesse financeiro. O agente de defesa ambiental é responsável por proteger áreas verdes e a biodiversidade, conforme estabelecido na Constituição Federal de 1988, art. 225 em referência ao Direito Ambiental.

Também se tem como destaque aqueles que ao se utilizarem indevidamente destas áreas, não se preocupando com a reposição do que foi destruído. Notadamente não estão se dando conta da atualidade, de que a natureza é a nossa sobrevivência, desvalorizando ou dispersos dos benefícios que ela pode produzir. Assim, temos que acentuar o mal que se causa a nossa flora e principalmente nossa fauna. Temos, inclusive, um exemplo atual que é a morte, desnecessária, provocadas pelo homem em relação aos primatas como macacos, micos e bugios entre outros. Corre se na mídia que estão sendo vítimas de envenenamento e atos de pura agressão, sustentáveis pela ideia, já totalmente afastada, de que seriam os responsáveis pelo surgimento da febre amarela.

Nas atribuições dos agentes, relaciona-se a necessidade de fiscalização das áreas onde se torna imprescindível uma observação maior, um zelo, afastando olhares e atitudes que visem somente à integridade própria com a conservação e totalmente desnecessárias e improcedente. Com o fim de evitar que os poderes da natureza o têm simplesmente, não consiga em sua conduta, vindo o simples aproveitamento de vantagens da natureza em qualquer contribuição, se beneficiando sem qualquer critério que visem sua recuperação ao aquecimento.

Com esta exposição sobre a importância dos agentes de defesa ambiental, salientamos que podemos e devemos segui-los nos exemplos aplicados e orientados na questão em defesa a nossa natureza. Em uma variedade de atrações têm estes dedicados funcionários, se concentram na manutenção das áreas, eles se dedicam em procurar sempre afastar o dano ambiental, inclusive quando causado por diversas formas de atuação dos homens e empresas voltadas apenas ao lucro.

Outra profissão importante é também a dos guardas-florestais, formada por funcionários de órgãos que respondem pelos exercícios computados, designados a segurança de áreas sujeitas a atuações criminosas que geram a degradação da própria natureza, por condutas em que a atuação da guarda-florestal torna-se imprescindível. Sua característica é que a guarda-florestal tem o poder de enfrentar sempre que necessário os predadores que tanto visam destruir o que o planeta em milhares de ano construiu.

A nossa missão é, como a do agente de defesa ambiental, contribuir para a preservação do meio ambiente.