Dia das Crianças e Natal devem impulsionar vendas de brinquedos

Segundo Abrinq, mantidas as variáveis atuais, crescimento deste ano pode ficar entre 7% e 10%.

Conjuntura / 16:14 - 19 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), "depois de conviver, como diversos setores, com as dificuldades do primeiro semestre, a indústria nacional está produzindo a todo vapor os brinquedos que vão encantar a garotada na Semana das Crianças."

- Estamos trabalhando com o número de 8% de crescimento para o ano. As famílias estiveram retraídas, mas desde o início de agosto as lojas voltaram a receber significativo fluxo de consumidores - sinaliza o presidente da Abrinq, Synésio Batista da Costa.

De 2011 a 2018, o faturamento da indústria do brinquedo passou de R$ 3.460 bilhões para R$ 6.871 bilhões, uma fotografia de contínuo crescimento em oito anos. Mantidas as variáveis atuais, prevê Synésio Costa, o crescimento deste ano pode ficar entre 7% e 10%.

De acordo com a estatística anual da Abrinq, a sazonalidade das vendas ao longo de 2018 permaneceu semelhante aos anos anteriores, concentradas nos meses de agosto, setembro e novembro. O número de empregos diretos e indiretos no ano teve aumento de 161 postos de trabalho, destacando-se o aumento das vagas com carteira assinada e a ligeira diminuição das terceirizadas.

Para 23% dos fabricantes, 2019 será um ano ótimo, enquanto 67% deles esperam ser bom, 7% regular e 3% ruim. O número de brinquedos lançados em 2018 foi de 1.385, um pouco a mais que em 2017 (1.309). Curiosamente, a faixa de brinquedos de preço acima de R$ 100 passou de 14,9% em 2017 para 16,5% ano passado. As faixas de brinquedos com preço entre R$ 20 e R$ 100 tiveram redução. Brinquedos a partir de R$ 10 e entre R$ 11 e R$ 20 também ganharam participação.

Registraram crescimento nas vendas brinquedos de atividades intelectuais, criatividade, atividades físicas e mundo técnico. As vendas por linhas de brinquedos continuam mostrando predominância das bonecas e bonecos nas vendas, com 19,2%, contra 18,9% em 2017. Cresceram em participação as linhas de veículos (16,7%), jogos (9,75), reprodução do mundo real (8,5%) e puericultura (6,8%). São Paulo continua sendo o maior mercado (33,7% contra 35,8% no ano anterior), e estados como Amazonas (3%), Paraná (6,5%) e Santa Catarina (6,8%) registram crescimento importante.

"Ao longo de 80 anos de história o setor de brinquedos no Brasil mostra que é possível seguir existindo e crescendo, em que pesem os efeitos das políticas econômicas", diz Synésio Batista da Costa.

 

Crescimento de até 2% - Mesmo que lenta e gradual, é possível notar uma pequena recuperação no índice do consumo brasileiro. Uma avaliação do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), indica que o consumo deve sofrer uma leve melhora neste 2º semestre, mas para o ano não deve superar a marca dos 2%. Esse resultado interfere diretamente no Produto Interno Bruto (PIB), que, ainda segundo o Instituto, tem estimativa de apenas 1% ou menos de crescimento.

Segundo Claudio Felisoni de Angelo, economista e presidente do Ibevar, o consumo representa mais de 60% do PIB, sendo um item determinante neste percentual. "Diante deste cenário, as incertezas que permeiam a sociedade, dentre elas a reforma da previdência, contribuem para essa paralisação no crescimento do PIB", avalia o economista.

O crescimento do consumo é determinado por três variáveis, sendo elas a renda real, ou seja, a renda nominal descontada a inflação, a taxa de juros ou financiamento ao consumo, prazos de pagamento e nível de emprego, e, por fim, a confiança do consumidor. "A taxa de juros caiu de modo significativo, quase 20p.p., mas os outros fatores ainda podem implicar em uma queda sistemática no índice do consumo brasileiro", finaliza.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor