Desmatamentos e punidade

Por Mario Eugenio Saturno.

Opinião / 17:57 - 9 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A visão míope de muitos colaboradores do Governo Bolsonaro sobre climatologia e meio ambiente coloca os interesses econômicos do Brasil na direção do abismo. Observa-se grande esforço em liberar agrotóxicos, sabotar a punição de desmatamento e negar as mudanças climáticas, e tudo sem nenhuma base científica e econômica. É claro que os consumidores da Europa já mostram sua rejeição através do boicote a produtos brasileiros.

O mais recente movimento do ministro do Meio Ambiente foi atacar o monitoramento do desmatamento feito pelo Inpe como responsável pela ineficácia no combate ao desmate, e anunciou que quer contratar uma empresa privada por R$ 7 sete milhões…

Que barganha! Para piorar nossa desconfiança, a imprensa divulgou que o ministro foi condenado em primeira instância, por improbidade administrativa, quando era secretário estadual de Meio Ambiente em São Paulo.

 

Brasil foi o terceiro país a utilizar satélites

para o sensoriamento remoto da Terra

 

O Inpe nem precisou contestar, a própria imprensa – nem tão especializada assim – mostrou que, do começo do ano até 15 de maio, o Inpe enviara aos órgãos de fiscalização ambiental 3.860 alertas de desmatamento através do Deter-B, Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real, ou 28,6 alertas por dia. Já a fiscalização do Ibama fez somente 850 autuações, ou 6,2 por dia. O que se conclui: querem detectar menos, só pode ser isso!

Se não bastasse o Inpe, entrou em funcionamento um novo monitoramento de desmatamento, que custa nada para o erário, é o MapBiomas, iniciativa de diversas ONGs, universidades e empresas de tecnologia para mapear o uso da terra, com um custo de R$ 13,6 milhões por ano e financiado principalmente pelo governo norueguês, pela Fundação Moore (EUA) e pelo Instituto Arapyaú.

O MapBiomas foi criado em 2015. Esse sistema cruza bancos de dados, do Deter-B (Inpe), o CAR (Cadastro Ambiental Rural) e o Sinaflor (Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais do Ibama) e elabora laudos prontos – que incluem até imagens de alta resolução do polígono antes e depois do desmatamento – para os órgãos fiscalizadores fazerem a autuação. De outubro a março, o MapBiomas já validou 4.577 alertas de desmatamento, computando uma perda de 89.741 hectares de vegetação nativa.

O que ninguém neste governo demonstra saber é que o Brasil tem grande experiência na área, foi o terceiro país a utilizar satélites para o sensoriamento remoto da Terra, após os Estados Unidos da América e o Canadá, em 1973, quando a estação de recepção do Inpe passou a receber os dados do Landsat-1.

E, por esse pioneirismo, o Inpe foi homenageado durante o lançamento do MapBiomas Alerta no último 7 de junho no Tribunal de Contas da União, em Brasília. Atualmente, o Inpe monitora a Amazônia, o Cerrado e outros biomas brasileiros.

Todos esses alertas estão disponíveis ao público desde o dia 7 de junho no site alerta.mapbiomas.org. Agora só está faltando que os nossos parlamentares, senadores e deputados, façam sua parte defendendo o ambiente que tem sua microflora e microfauna destruída para sempre. É uma perda inestimável, pois aí pode estar a cura do câncer.

Mario Eugenio Saturno

Tecnologista sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor