Advertisement

Desinteresse de Putin derruba cotação do petróleo

Presidente russo não apoia proposta saudita de reduzir produção de petróleo

Acredite se puder / 29 Novembro 2018

Para desespero da Arábia Saudita, Vladmir Putin, considera que o nível atual dos preços do barril de petróleo está “perfeitamente bom”. Esta posição significa que a produção russa não deverá diminuir. A Arábia Saudita, no entanto, defende o corte na oferta e chegou a anunciar que colocará tal decisão em prática a partir de dezembro. Para aumentar a agonia dos árabes, que desejam que no mínimo a cotação oscile ao redor de US$ 73, as reservas norte-americanas continuam crescendo e Donald Trump defende que os preços não devem subir. Agora, o desânimo tomou conta dos especuladores do mercado de petróleo. O barril do Brent, negociado em Londres, perdeu mais 1,19% e caiu para US$ 58,06, retornando aos níveis de outubro de 2017. O West Texas Intermediate (WTI) recuou 0,97% para US$ 49,80, perdendo o suporte dos US$ 50, estabelecido na mesma época.

 

Ação coletiva contra chineses da Bitmain

A Bitmain, uma das maiores fabricantes de hardwares de mineração de criptomoedas, está enfrentando nos Estados Unidos uma ação coletiva movida por diversos clientes da empresa. A alegação é que foram prejudicados numa suposta operação de mineração ilegal conduzida pela empresa nos hardwares que comercializa. No total, os que se sentem prejudicados estão pedindo uma indenização de mais de US$ 5 milhões. Segundo a agência Coindesk, Gor Gevorkyan, um dos proponentes da ação coletiva, por considerar que, quando são inciados, os equipamentos da Bitmain já vêm pré-configurados para realizar mineração para a empresa produtora e ficam nessa condição até que o usuário remodele as configurações. Por causa disso, os hardwares seguem minerando no Antpool, em uma carteira dos chineses, ou seja, usam os dispositivos vendidos aos consumidores em seu benefício.

Gevorkyan alega ter adquirido diversos dispositivos da Bitmain, incluindo o AntMiner S9, em janeiro deste ano para minerar bitcoin, no entanto, durante o processo de configuração, os equipamentos estavam minerando para a gigante chinesa. “Durante esse tempo, os dispositivos Asic foram pré-configurados para minerar para a Bitmain, consumindo uma quantidade substancial de eletricidade às custas dos compradores e sem sua autorização”, afirma a denúncia acrescentando que isto seria uma “prática comercial injusta”. A Bitmain, no entanto, repudia as denúncias e alega que não realiza este tipo de ação. Porém, para um minerador brasileiro que está criando fazendas de mineração no Paraguai, a ação contra a Bitmain é válida, pois os chineses realizam mineração nos equipamentos dos usuários.

 

Deutsche Bank envolvido em novo escândalo

Para investigar a lavagem de dinheiro, cerca de 170 polícias e inspetores fiscais estiveram na sede e em outras instalações do Deutsche Bank para apreender documentos e arquivos eletrônicos. A princípio, todos acreditaram que a busca se relaciona ao caso dos Panama Papers,, de 2016. Porém, o Ministério Público alemão anunciou que a investigação se refere a período de cinco anos, entre 2013 e 2018, de acordo com a porta-voz do Ministério Público. Agora a busca é se o Deutsche Bank apoiou os clientes na criação de negócios offshore em paraísos fiscais e que o dinheiro gerado através de atividades criminais foi movimentado nas contas do banco alemã, sem que este tenha informado as autoridades sobre a possibilidade de se tratar de operações de lavagem de dinheiro.

 

Bayer venderá Coppertone e Dr. Scholl’s

A Bayer anunciou um plano de reestruturação que provocará o corte de 12 mil empregos, o que representa cerca de 10% da sua força de trabalho, atualmente de 118.200 trabalhadores em todo o mundo. A companhia deixará de atuar no negócio de veterinária, centrando as operações na atividade farmacêutica e na agricultura. A Bayer não produzirá mais protetores solares e produtos para os pés, vendendo as marcas Coppertone e Dr. Scholl’s. Os cortes de postos de trabalho afetarão principalmente os alemães e também os da Monsanto.