Advertisement

Desastre de quatro anos de política neoliberal

Desemprego quase dobra, educação integral diminui e rombo nas contas públicas chega perto de meio trilhão.

Fatos & Comentários / 31 Janeiro 2019 - 20:11

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A colheita das equipes econômicas “ortodoxas”, que implantaram “políticas de austeridade” de 2015 a 2018 (incluído no período o primeiro ano do Governo Dilma, quando ocorreu o estelionato eleitoral que minou a presidente) não aparece apenas na estagnação do PIB. Emprego, educação e até o déficit primário – sagrado para os neoliberais – mostram o trágico fracasso.

De 2014 a 2018, a população desocupada passou de 6,7 para 12,8 milhões (aumentou em 6,1 milhões), ou seja, quase dobrou (90,3%). O percentual de pessoas subutilizadas na força de trabalho no Brasil aumentou de 15,1% em 2014 para 24,4% em 2018, a maior da série.

O número de pessoas desalentadas pulou de 1,5 milhão, há quatro anos, para 4,7 milhões em 2018, também o maior valor da série. São 3,2 milhões de pessoas que simplesmente desistiram de procurar emprego.

Em 2014, eram 36,6 milhões de trabalhadores do setor privado com carteira de trabalho assinada; quatro anos depois, 3,7 milhões deixaram de ter emprego formal.

Na educação, o percentual de matrículas em tempo integral passou de 19,4% em 2015 para 10,9% em 2018.

Finalmente o ano passado foi o quinto seguido de déficit primário. Em 2014, foram apenas R$ 32,536 bilhões. De 2015 a 2018, alta galopante: R$ 111,249 bilhões (2015), R$ 155,791 bilhões (2016), R$ 110,583 bilhões (2017) e R$ 108,2 bilhões (2018). Saldo de quatro anos de austeridade: rombo de R$ 485 bilhões.

 

Marcha a ré

O mercado automotivo brasileiro perdeu 13 anos com a crise, conclui estudo feito pela Bright Consulting. No atual ritmo, o Brasil só vai retornar ao nível de 2012 em 2025. O setor terá que se adaptar, nos próximos anos, a novas demandas do consumidor, cada vez mais próximo da área digital.

Tecnologias de assistência ao condutor, veículos híbridos, elétricos, autônomos e compartilhados são tendências. Equipamentos antes raros passarão a ser uma imposição do mercado. É o caso do câmbio automático, que em 2018 se fez presente em 49% dos carros vendidos no Brasil. A virada virá já em 2019, com uma rápida aceleração ao longo da próxima década. Esse tipo de transmissão caminha da mesma forma que ocorreu com o ar-condicionado, presente em 98% dos automóveis nacionais emplacados no ano passado.

Com as novas regras do Rota 2030, esses equipamentos de ponta entrarão em linha num ritmo mais acelerado do que, por exemplo, os propulsores híbridos e elétricos, previstos pelo estudo para equipar menos de 5% dos carros novos em 2025”, aponta Paulo Cardamone, da consultoria. O valor médio dos automóveis crescerá mais de 4% ao ano, descontada a inflação.

 

Construção de corvetas

A indústria italiana Fincantieri, uma das líderes mundiais no setor da construção naval, participará de licitação para a construção de corvetas para a Marinha do Brasil. Nesta quarta-feira, o presidente da empresa no Brasil, Stelio Vaccarezza, fez uma apresentação no Consulado Geral da Itália Rio de Janeiro.

A participação na concorrência será através do Consórcio FLV (Fincantieri-Leonardo-Vard). Vaccarezza disse que a companhia pretende estabelecer colaborações com a indústria local, tendo, como última etapa, a inserção de empresas brasileiras, que passaram pelos critérios de qualificação, na cadeia do fornecimento global da Fincantieri/Vard.

Em 23 de janeiro, os representantes do consórcio estiveram em Recife, onde possui um estaleiro. A próxima reunião será em São Paulo, no próximo dia 7.

 

Israel paga mico por Bolsonaro

O Governo Bolsonaro buscou servir de vitrine para os militares israelenses, empurrando a ajuda goela abaixo do Corpo de Bombeiros de MG. A tropa de Israel foi embora com um saldo de toneladas de equipamentos sem serventia, pouca ajuda e uma sensação de que veio pagar mico.

 

Rápidas

O Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor) recebe nesta sexta-feira Miguel Aguiar Neto, mestre em Planejamento de Sistemas e Serviços de Saúde. Ele falará sobre o uso potencial de novas tecnologias no cuidado em saúde *** O Caxias Shopping recebe, de 8 a 10 de fevereiro, Mostra de Orquídeas, do Orquidário Binot *** Fábio Eduardo Galvão Ferreira Costa é o novo presidente da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin) *** Neste sábado, o Center Shopping Rio realizará campanha de doação de sangue em parceria com o Hemorio, das 10h às 15h *** A Fiesp divulga nesta sexta-feira o resultado do Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria em 2018. Não se espera bons números.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor