Deputado quer ligação de barcas entre Charitas e Botafogo

Projeto que autoriza estudos alega que trânsito vai melhorar e turismo pode aumentar.

Decisões Econômicas / 17:51 - 17 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Deputado Márcio Canella

Tramita na Alerj o projeto de lei do deputado Márcio Canella (MDB) que autoriza o Governo do Estado do Rio de Janeiro a iniciar estudos de viabilização e implantação de rota marítima entre a Estação Aquaviária de Charitas, em Niterói, e o bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. Segundo o parlamentar, a nova linha de catamarãs ajudará na redução de engarrafamentos, além de encurtar o tempo de viagem entre Niterói e bairros da Zona Sul do Rio. O deputado argumenta, ainda, que a nova ligação marítima poderá aumentar o fluxo de turistas em Niterói.

Vereador Marcelino D’Almeida

Ônibus deverão informar a data de fabricação

Todo mundo sabe que ônibus tem vida útil. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, só podem ser usados no transporte de passageiros ônibus com menos de nove anos a partir da data de fabricação. Mas como saber a idade do ônibus que você acabou de embarcar? Pensando nisso, o vereador Marcelino D’Almeida (PP) apresentou projeto de Lei na Câmara Municipal do Rio obrigando o operador, permissionário ou concessionário a afixar placas na lataria dos veículos informando o ano de sua fabricação. A medida ainda vai ser discutida e votada em plenário.

Deputado Waldeck Carneiro

Frente parlamentar contra abuso de autoridade

A visita surpresa de dois deputados – um federal e um estadual – ao Colégio Pedro II de São Cristóvão continua rendendo discussão na Alerj. O episódio teve como consequência a criação da Frente Parlamentar em Defesa da Liberdade de Cátedra e dos Cursos de Formação de Professores. Presidida pelo deputado estadual Waldeck Carneiro (PT), a Frente Parlamentar pretende se constituir como uma trincheira em defesa do magistério, dos cursos de formação de professores, da democracia e da pluralidade no ambiente escolar. “É importante criar condições para blindar e proteger as instituições formadoras de alunos, respeitando-as em suas autonomias institucional e pedagógica”, declara o deputado.

 

Instrumento mais simples de discussão

A Frente Parlamentar em Defesa da Liberdade de Cátedra e dos Cursos de Formação de Professores não foi a única instalada na Alerj esta semana. Na terça-feira um grupo de deputados instalou a Frente Parlamentar em Defesa da Soberania Nacional e em Defesa do Pagamento dos Royalties para o Estado do Rio e seus Municípios. O objetivo é debater as alterações propostas na Lei 12.734/2012, que preveem a redistribuição de recursos dos royalties de petróleo. Mais simples de serem formadas, as frentes parlamentares, que nem precisam ser aprovadas em plenário, estão se tornando o instrumento preferido dos deputados estaduais para discutir assuntos específicos. Só não podem se banalizar.

 

Primeiros vencedores do Prêmio Paulo Freire

No dia 30 deste mês, Comissão de Educação da Alerj fará a premiação da 1ª edição do Prêmio Paulo Freire. Foram 72 iniciativas premiadas, todas de autoria de profissionais de educação das escolas e universidades da rede pública de ensino, em nove categorias: projeto político-pedagógico; experiência com alunos do Ensino Fundamental; Educação Especial; Educação de Jovens e Adultos; Ensino Médio, Pós-Médio, Técnico ou Profissionalizante; do Ensino Superior; do Ensino à Distância; de experiência pedagógica na área de Inovação, Ciência e Tecnologia; e de Experiência Pedagógica na Educação do Campo.

O Prêmio é uma homenagem a Paulo Freire, criador da Pedagogia da Libertação, referência mundial da área pedagógica e atual patrono da educação brasileira.

 

Pipeiros ganham área segura para o lazer

O governador Wilson Witzel sancionou a lei que autoriza a criação de pipódromos em todo o estado. O nome estranho batiza locais autorizados para festivais ou apenas para o lazer de soltar pipas. Em Niterói e São Gonçalo, onde chamam pipa de cafifa, serão os cafifódromos. Nome mais feio ainda. Mas serão locais abertos, distantes de rodovias e da rede elétrica para que jovens e adultos possam soltar pipa (ou cafifa) em segurança. Linha chilena e cerol continuam proibidos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor