Demanda do consumidor por crédito cresceu 8% no primeiro semestre

Crescimento foi menor do que o acumulado em igual período do ano passado; Sudeste foi região que menos cresceu em seis anos.

Conjuntura / 11:17 - 14 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A quantidade de consumidores que buscou crédito durante o primeiro semestre deste ano cresceu 7,8% em relação ao mesmo período de 2018, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Demanda do Consumidor por Crédito. Quando comparado a junho do ano passado, o índice também apresentou um aumento de 9,9%.

Apesar da alta, ela é menor do que o crescimento apresentado no primeiro semestre de 2018 (11,1%). Segundo o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, este crescimento abaixo do ano anterior foi influenciado pela alta da inflação em janeiro, fevereiro e março, puxada principalmente por alimentos e combustíveis.

"O movimento fez com que as famílias optassem por priorizar pagar as contas domésticas, ao invés de buscar crédito. O movimento começou a se inverter em abril e teve sua principal melhora em junho de 2019, quanto a inflação foi de 0,01%, o menor patamar do ano. Com isso, as pessoas se sentiram mais confiantes para procurar por crédito e a alta registrada foi similar ao mesmo período de 2018 - 9,8% e 9,9%, respectivamente", comenta.

Ainda no acumulado do primeiro semestre, em comparação com o mesmo período do ano passado, todas as regiões apresentaram avanço na procura do consumidor por crédito, mas pela primeira vez a região Sudeste foi a que menos cresceu, apresentando uma alta de 5,3%. Enquanto isso, o Centro-Oeste aumentou em 13,4% na comparação com o mesmo período do ano passado, seguido pela região Norte com 12,1%, Nordeste com 10,0% e Sul com 8,2%.

Na comparação com o acumulado dos primeiros seis meses do ano passado, a demanda por crédito apresentou variações positivas em todas as faixas de renda: houve um aumento de 8,3% para quem recebe até R$ 500 por mês; outro de 9% para quem ganha entre R$ 500 e R$ 1.000 mensais; e 7,1% para os que recebem entre R$ 1.000 e R$ 2 mil por mês.

Além disso, quando analisamos as rendas acima de R$ 2 mil, a procura por crédito foi semelhante. Para a faixa de renda entre R$ 2 mil e R$ 5 mil mensais a demanda foi 6,5%; 6,1% para o consumidor com renda entre R$ 5 mil e R$ 10 mil por mês e, também, para quem ganha mais de R$ 10 mil.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor