Advertisement

De volta para o futuro

Estamos prestes a elegermos os novos comandantes do país e de todos os estados da Federação. O clima não é dos...

Opinião / 10 Outubro 2018

Estamos prestes a elegermos os novos comandantes do país e de todos os estados da Federação. O clima não é dos melhores por conta dos últimos anos de grave crise econômica, política e ética. Estamos, mais uma vez, olhando para o futuro, mas devemos ter a consciência de que ele nos dará algo com base nas decisões que tomaremos agora, através das nossas escolhas.

Certamente, este pleito é o mais polêmico dos últimos anos. No cenário nacional, a polarização de duas figuras, uma como salvador da pátria e a outra ostentando, mesmo preso, a força de maior líder popular do país, tem dividido não só opiniões, mas também famílias e amigos. Ânimos alterados e até descontrolados se ofendem e se desafiam.

 

Brasil demonstra ter totais

condições de reverter o caos

 

No Rio, embora a disputa esteja mais amena, o problema é imenso, pois chegamos ao fundo do poço, no qual quase todos os setores estão sem recursos devido às más gestões recentes. Educação, saúde e segurança agonizam nos últimos anos e as promessas dos candidatos é que esse quadro será revertido. Infelizmente, ninguém diz claramente como exatamente isso será viável, já que os cofres estão vazios.

A segurança pública é um dos alvos dessas promessas. Ainda sob a intervenção militar é a área que preocupa a todos, pois efetivamente não há melhora nos índices de violência e as promessas de fortalecer as polícias não se concretizou. Isso demonstra que chegamos a um patamar no qual nem o estado sozinho resolverá o problema e nem o Governo Federal de forma isolada. É preciso tomar ações conjuntas, na qual a inteligência e a boa vontade ditem as diretrizes a serem seguidas.

Tropas federais devem cuidar das fronteiras e todos os meios de acesso para minimizar o tráfico de drogas e de armas. As polícias, com investimentos em treinamento e equipamentos, cuidam da ordem urbana. E que todos estejam devidamente integrados.

Como conseguir dinheiro para isso? Enxugando a máquina pública, revendo contratos e fazendo e refazendo parcerias com a iniciativa privada. Sabemos que não é simples, mas é possível e, em algum momento, isso deve começar.

Que tais iniciativas se estendam para a área da saúde e educação. Independente de quem assuma os governos, que trate a máquina pública com respeito e responsabilidade, tendo a consciência de que somos sim um país próspero e com totais condições de não só revertemos o caos, mas nos tornarmos uma nação cujos cidadãos possam gozar de uma vida digna e cidadã como prevê a Constituição.

 

 

Marcos Espínola

Advogado criminalista.