Crise da Boeing começa a afetar economia dos EUA

Companhia aérea promete retomar voos até outubro deste ano.

Acredite se Puder / 18:48 - 29 de jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O impacto das falhas de segurança do 737 Max é responsável pela maior crise nos 103 anos de existência da Boeing, que na semana passada revelou um prejuízo de US$ 2,94 bilhões no segundo trimestre deste ano. Apesar dos reflexos que começam a ser sentidos no setor aeroespacial e na economia norte-americana, com a redução nas exportações, a fabricante de aviões afirma que sua aeronave voltará a voar até outubro, mas muitos analistas consideram essa estimativa por demais otimista.

Interessante é que, no mesmo momento, reconheceu pela primeira vez que talvez tenha de interromper a produção do modelo temporariamente, o que não acontece há mais de 20 anos. No segundo trimestre não foi feito nenhum pedido de 737 Max, produto que representa um terço das receitas e dos lucros da companhia. Mais de cem aeronaves prontas estão paradas em Seattle e só poderão ser entregues quando os voos forem novamente autorizados.

 

Aviões brasileiros combaterão incêndios florestais

Como as cinco aeronaves KC-390 que Portugal vai comprar da Embraer vão substituir os Hércules C-130 que estão em atividade há 40 anos, limite para serem usados, elas serão utilizadas no combate aos incêndios florestais. Assim, também estarão preparadas para o transporte de tropas e de veículos, o lançamento de paraquedistas e carga, evacuações sanitárias, reabastecimento aéreo e missões de busca e salvamento. O interessante é que, apesar de Portugal ter aplicado € 20,8 milhões no projeto deste avião, as autoridades portuguesas apertaram a empresa brasileira para baixar o preço para € 603,7 milhões.

Curiosidades lusitanas: além da redução no preço, exigiram que parte da montagem será na fábrica em Évora e terá de haver um índice de nacionalização de 56%, Mas como o Conselho de Ministros que autorizou uma verba total de € 827 milhões, os restantes € 223 milhões de euros serão gastos da seguinte forma: € 110 milhões na contratação de serviços de sustentação logística das aeronaves e do simulador de voo e € 45 milhões de euros para a compra dos equipamentos de guerra eletrônica à israelita Elbit Systems.

Será que a Embraer explica se adquirisse esses equipamentos não teria lucro maior e não aumentaria tanto os preços das aeronaves?

 

Analistas do Citi rebaixam BRF

Os analistas do Citi rebaixaram a classificação dos papéis da BRF de neutro para venda na sequência de recente valorização. Os papéis registram alta de mais de 50% no acumulado de 2019, em boa parte por conta da valorização com a menor oferta de carnes por conta da gripe suína na China. O Citi mencionou o “valuation” e reduziu as estimativas de lucros para a BRF, incorporando frustração nos ganhos no primeiro trimestre, menores vendas domésticas em 2019 e maiores custos com soja. Os ganhos recentes trazem um prêmio para a ação possivelmente insustentável em relação aos níveis pré-recessão, quando as margens Ebit eram estruturalmente mais altas, e a alavancagem e a concorrência eram menores”.

De acordo com o Citi, para sustentar o “valuation”, o Ebitda de 2020 da BRF precisaria crescer 25%, enquanto a estimativa de crescimento do Ebitda do Citi é de cerca de 7%. Já o preço-alvo foi elevado, passando de de R$ 23,50 para R$ 28, o que configura uma queda de 26% em relação aos patamares negociados na tarde da sessão desta segunda-feira. As perdas ações ordinárias da BRF chegaram a mais de 1,5%, mas foram reduzidas para 0,80% e terminaram cotadas a R$ 33,70.

 

BB e Bradesco BBI recomendam Hypera

Os analistas do BB Investimentos junto dos do Bradesco BBI passaram a recomendar a aquisição das ações da Hypera. Os primeiros aumentaram a classificação de desempenho em linha com a média do mercado para acima da da média e estabeleceram o preço-alvo é de R$ 38,10, o que significa um potencial de alta de 21%. Os do segundo, no entanto, são mais moderados e mantém a recomendação de neutra, mas destacam que os números de venda ao consumidor final são construtivos, mostrando que a companhia parece estar no caminho certo para entregar um ganho de participação de mercado por meio de inovação e alavancando as suas plataformas de distribuição. No entanto, revelamque ainda existe pressão na margem bruta e o crescimento de vendas está condicionado a promoções mais agressivas e marketing.

 

Português de óculos recebe bonificação

Portugueses têm direito até 24 anos a uma bonificação de € 121 por mês; entre 14 e 18, € 91; e € 62,37 até 14. Basta usar óculos. Embora lei antiga, a Sociedade de Oftalmologia recentemente recomendou a médicos que "recusem atestar deficiência quando tal não se verifique".

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor