Crise da água ‘afoga’ o presidente da Cedae

Hélio Cabral é um dos réus do inquérito instaurado pela tragédia de Mariana, em Minas Gerais. O substituto será será Renato Espírito Santo.

Rio de Janeiro / 00:44 - 11 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), Hélio Cabral, foi demitido nesta segunda-feira, em meio à crise da água pela qual passa o Estado do Rio de Janeiro. A demissão foi anunciada pelo governador Wilson Witzel. O substituto de Cabral, já escolhido pelo governador, será Renato Espírito Santo, um funcionário de carreira da Cedae.

Em nota, o Governo do Estado informou que, como representante do acionista controlador da Cedae, o governador Wilson Witzel, determinou a imediata demissão de Cabral. “O governador também convocou, em caráter extraordinário, reunião do Conselho de Administração da Cedae para esta terça-feira para tratar exclusivamente da substituição do ocupante do cargo de diretor-presidente da companhia”.

Hélio Cabral é um dos réus do inquérito instaurado pela tragédia de Mariana, em Minas Gerais. Ele era conselheiro da Samarco, indicado pela Vale. Na denúncia, o MP diz que Cabral sabia do riscos da Barragem do Fundão, mas só pensava nos lucros financeiros da companhia. Foram 19 mortos nessa tragédia, considerado o maior desastre ambiental da história da mineração. Ele é acusado de homicídio junto com outras 21 pessoas.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor