Advertisement

Crescimento do transporte aéreo de carga continua modesto

Internacional / 10 Julho 2018

Genebra – A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) divulgou os dados sobre os mercados de carga aérea global, mostrando que a demanda, medida em quilômetros por toneladas de carga (FTKs), aumentou 4,2% em maio de 2018 em relação ao mesmo período do ano anterior. Porém, o aumento foi um pouco menor do que a taxa de 5,2% (valor revisado que indicava 4,1%) na demanda anual registrada em abril de 2018.

A capacidade de carga, medida em quilômetros por toneladas de carga disponíveis (AFTKs), cresceu 6,2% em maio de 2018 na comparação ano a ano. Esse foi o quarto mês consecutivo em que o crescimento da capacidade superou o crescimento da demanda.

Após um começo fraco em 2018, a demanda global por carga aérea apresenta uma modesta tendência de aumento. Porém, o rápido crescimento visto em 2017 já terminou, com a demanda crescendo a um ritmo muito menor em 2018. Segundo previsão da IATA para a metade do ano, o crescimento de transporte aéreo de carga de 2018 foi revisado e caiu para 4,0% (a previsão em dezembro de 2017 era de 4,5%).

Segundo a Iata, o crescimento deve continuar em ritmo mais lento devido a três fatores: acabou o ciclo de reabastecimento que exige entrega rápida para atender às necessidades dos clientes; o componente de novos pedidos de exportação do Índice Global de Gerentes de Compras (PMI) está no menor nível em 21 meses; e o comércio global parece diminuir o ritmo com o aumento das tensões comerciais.

Estimamos um aumento modesto de 4,0% na demanda de transporte aéreo de carga em 2018. Ainda assim, é uma alta considerando o começo do ano que foi muito fraco. Porém, existem forças contrárias com o crescente atrito entre os governos na área de comércio. Ainda esperamos que a demanda cresça, mas essas expectativas são atenuadas a cada nova tarifa introduzida. A experiência nos mostra que as guerras comerciais, no longo prazo, só produzem perdas”, disse Alexandre de Juniac, diretor-geral e CEO da Iata.