Advertisement

Coreia do Norte ameaça suspender negociações com Washington

Vice-ministra do Exterior culpou autoridades americanas pelo fracasso da cúpula em Hanói.

Internacional / 15 Março 2019 - 12:26

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Coreia do Norte considera suspender as negociações com os EUA sobre uma desnuclearização e pode retomar seus testes nucleares e de mísseis, a menos que Washington faça concessões, segundo afirmou uma diplomata norte-coreana nesta sexta-feira.

A vice-ministra do Exterior, Choe Son-hui, culpou autoridades americanas pelo fracasso da cúpula realizada no mês passado em Hanói, no Vietnã, entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

"Não temos a intenção de ceder às exigências dos EUA [feitas em Hanói] de nenhuma forma, nem estamos dispostos a participar de negociações desse tipo", disse Choe.

As declarações da diplomata representam a primeira insinuação do regime norte-coreano sobre uma possível ruptura do diálogo entre Pyongyang e Washington.

Segundo a vice-ministra, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, "criaram uma atmosfera de hostilidade e desconfiança e, portanto, obstruíram o esforço construtivo para negociações entre os líderes supremos de Coreia do Norte e EUA".

Choe afirmou que Washington abandonou uma oportunidade de ouro na cúpula de Hanói e avisou que Kim pode repensar a moratória sobre lançamento de mísseis e testes nucleares.

"Quero deixar claro que a posição de gângster adotada pelos EUA acabará colocando a situação em risco", afirmou a vice-ministra, citada pela agência de notícia Associated Press. "As relações pessoais entre os dois líderes supremos são boas, e a química é misteriosamente maravilhosa", explicou.

A Coreia do Sul - que ostenta uma agenda ambiciosa de envolvimento com a Coreia do Norte, plano que depende de Pyongyang e Washington resolverem ao menos algumas de suas diferenças - afirmou ser cedo demais para analisar o significado dos comentários de Choe.

"Não podemos julgar a situação atual com base apenas nas declarações da vice-ministra Choe Son-hui. Estamos observando a situação de perto. Em qualquer situação, nosso governo tentará retomar as negociações entre a Coreia do Norte e os EUA", afirmou o gabinete presidencial sul-coreano.

Mais cedo nesta sexta-feira, uma porta-voz do Ministério da Unificação da Coreia do Sul disse que a reunião semanal intercoreana que deveria ocorrer em Kaesong, na Coreia do Norte, foi cancelada depois que Pyongyang comunicou que não enviaria funcionários do alto escalão. A porta-voz disse que Seul não sabe por que autoridades norte-coreanas decidiram não comparecer.

A segunda última cúpula entre Trump e Kim fracassou devido a divergências sobre as demandas americanas de desnuclearização e a demanda norte-coreana por alívios drásticos nas sanções internacionais, que foram impostas devido aos testes nucleares e de mísseis executados por Pyongyang durante anos, desafinado resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

No começo desta semana, em Washington, o representante especial os EUA para a Coreia do Norte, Stephen Biegun, afirmou que o governo americano espera poder continuar com as negociações, embora não tenha dado detalhes sobre quando novas rodadas de conversações poderiam ser realizadas.

"A diplomacia está muito viva", disse Biegun, na segunda-feira, mas não chegou a especificar se houve conversas desde a cúpula em Hanói.

Na semana passada, fotos de satélite analisadas por especialistas mostraram atividade recente em uma instalação de montagem de mísseis norte-coreanos, aumentando as especulações sobre um possível lançamento após a fracassada cúpula de Hanói.

Para os especialistas, as imagens indicam que a Coreia do Norte pode rapidamente reverter todas as ações de desmantelamento dos seus programas de armas nucleares que tinham sido iniciadas após a primeira cúpula, em 2018, e constituem uma "afronta à estratégia diplomática do presidente dos EUA".

 

China espera ter vizinhança estável, diz premiê

A China espera ter uma vizinhança estável, valorizando seus laços com o Nordeste Asiático, o Sudeste Asiático e com os demais vizinhos, declarou nesta sexta-feira o premiê chinês, Li Keqiang.

O país continuará seguindo os princípios de amizade, sinceridade, benefício mútuo e abrangência no desenvolvimento das relações com seus vizinhos, destacou Li em uma entrevista coletiva após a conclusão da sessão anual da legislatura nacional da China.

A China continuará desempenhando seu papel construtivo na promoção da desnuclearização da Península Coreana, segundo ele.

O premiê também pediu o desenvolvimento de um Acordo de Livre Comércio (FTA, em inglês) entre China, Japão e Coreia do Norte. "Chegar a um acordo abrangente, de alto padrão e mutuamente benéfico é do interesse dos três países."

"A China permanecerá no caminho do desenvolvimento pacífico e continuará atuando como uma força positiva e contribuinte para a paz regional e global", disse Li.

 

Com informações da Agência Brasil, citando a Deutsche Welle; e da Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor