Cooperação Sul-Americana - XXIII

Opinião / 12:39 - 30 de jun de 2000

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No âmbito da cooperação Sul-Americana valemo-nos de um amplo estudo de vias navegáveis internas feito pelo BNDES, no Brasil, em que concedemos especial atenção à ligação da Bacia do rio Tietê- Paraná e o rio Paraíba do Sul e a ligação do canal Ibicuí-Jacuí no estado brasileiro do Rio Grande do Sul. A ligação do Tietê com o Paraíba do Sul, as obras de regularização e aproveitamento do último geram a possibilidade de se criar uma via com cerca de mais de 1.000 km na região mais desenvolvida industrialmente da América do Sul. O canal Ibicuí/Jacuí ligará o rio Uruguai a Lagoa dos Patos. Na verdade, trata-se da ligação do rio Ibicuí, afluente do rio Uruguai ao rio Jacuí, que desemboca na Lagoa dos Patos, em Porto Alegre, por uma canal de 213 km de extensão e com um desnível de 100m de altura. Quando terminado será possível percorrer-se longitudinalmente todo o território do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, cerca de 800 km por barcaças de até 2,50m de calado. Estas são obras imaginadas para o lado oriental da América do Sul. Para o lado ocidental temos a costa do Pacífico. A costa do Pacífico, no trecho compreendido entre Guayaquil e Arica se caracteriza por sua constituição física. É uma estreita faixa de terra de não mais de 60 km de extensão separando o mar das escarpas dos Andes. Esta é uma região com regime de chuvas muito irregular em toda a sua extensão e densamente povoada. A irregularidade das chuvas cria uma extrema vulnerabilidade para as populações ali estabelecidas, enquanto que, a menos de 200 km, no outro lado dos Andes, existe farta disponibilidade de água. A solução para o problema colocado já existe desde 1801, quando o naturalista alemão Alexander von Humboldt propôs transportar água da escarpa oriental dos Andes para a escarpa ocidental mediante um sistema de túneis e empregando a utilização de bombas de água. O primeiro destes sistemas e que se encontra bem adiantado é o destinado a garantir o suprimento de Lima. O projeto resultou da barragem do rio Mantaro, da elevação de água por cima do divisor e a canalização da água por túneis até a nascente do rio Rimac, que vai até Lima. Outros grandes projetos de transposição hidráulica são os rio Pilpichaca para o rio Ica, o do rio Maranón par o rio Vinu, e o do rio Apurinac para o rio Colcoa. Darc Costa Coordenador do Centro de Estudos Estratégicos da Escola Superior de Guerra e Membro do Conselho Editorial do MONITOR MERCANTIL.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor