Advertisement

Contrariando BC, analistas do Itaú preveem queda do PIB

Especialistas seguem previsões feitas por outras instituições financeiras.

Acredite se Puder / 17:08 - 13 de Mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os analistas do Itaú Unibanco alteraram as previsões para o Produto Interno Bruto brasileiro no primeiro trimestre. Devido ao fraco desempenho do setor industrial, que em março caiu 1,3% em relação a fevereiro, baixaram a estimativa de recuo de 0,1% para redução de 0,2% na comparação com o último trimestre de 2018. Além disso, também alteraram as expectativas para o crescimento econômico em 2019 e em 2020. O interessante é que fizeram uma previsão para o PIB baixando a alta de 1,3% para 1%, enquanto a pesquisa Focus, do Banco Central, nesta segunda-feira, aponta 1,45%, em sua 11ª revisão. Já a estimativa para 2020 saiu de expansão de 2,5% para 2%, se alinhando à registrada no Focus. O resultado do PIB do primeiro trimestre será divulgado no dia 30 deste mês pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Uber foi o maior prejuízo em IPO

A estreia das ações da Uber na bolsa causou o maior prejuízo financeiro da história de IPOs dos EUA, segundo pesquisa realizada por Jay Ritter, professor da Universidade da Flórida. Antes da Uber, a maior perda tinha sido registrada durante a bolha das pontocom, em 2000, quando a Genuity, ex-Verison, perdeu US$ 277 milhões no primeiro dia. As ações da Uber chegaram a cair até 9% nesta segunda-feira, após a abertura de capital, na última sexta-feira, ter decepcionado o mercado, pois só foram captados US$ 75,5 bilhões, quando a menor previsão era de obter US$ 82 bilhões, com a colocação de 191 milhões de títulos. A cotação sofreu redução de 7,3%, oscilando ao redor de US$ 38,59. Com isso, o valor de mercado da empresa diminuiu de US$ 75,5 bilhões para U$ 69,7 bilhões. Isso significa que os investidores que entraram no IPO tiveram uma perda de US$ 655 milhões.

 

Empresas terão de elevar tarifas?

O IPO da Uber aconteceu seis semanas depois da decepção causada pelo da Lyft, maior concorrente nos EUA. De nada valem as afirmações que o lançamento ocorreu em momento turbulento para os mercados financeiros, devido à guerra comercial entre os EUA e a China. As ações da Lyft já registram desvalorização de 30% sobre o preço inicial de US$ 72. Agora, a grande preocupação dos investidores é se as duas empresas se tornarão lucrativas no futuro. Pouco analistas acreditam nessa hipótese, pois consideram que, se as participantes desse setor não buscarem soluções, o jeito será elevar os preços, afetando diretamente seus consumidores.

 

Carrefour faz provisão de R$ 815 mi

O Carrefour esperava êxito em uma série de processos judiciais sobre estorno parcial dos créditos de ICMS relacionados a produtos da cesta básica. Como teve uma decisão desfavorável no Supremo Tribunal Federal, a companhia fez uma provisão integral de R$ 815 milhões, valor correspondente às autuações recebidas. Através de comunicado, a empresa informou ter decido realizar uma “abordagem cautelosa”, realizando a provisão integral do valor que está sendo questionado. As ações da empresa sofreram desvalorização de 1,25% e caíram para R$ 19,75.

 

Coreano esperto, esse Mu

A gestora de investimentos GWI, do coreano Mu Hak You, entrou com pedido de arbitragem contra a JBS, querendo ressarcimento por ter sido prejudicada por declarações dos irmãos Batista, em 2017. Parece que o coreano está tentando criar a teoria de que não existe mercado de riscos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor