Consumo de famílias no Rio teve queda de 4,1 pontos em dezembro

Piora, no entanto, não foi suficiente para interromper o processo de melhora do índice observado ao longo de 2019 no estado.

Rio de Janeiro / 15:53 - 10 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Índice de Consumo das Famílias (ICF-RJ) registrou, em dezembro, queda de 4,1 pontos frente ao mês anterior e devolveu parcialmente o crescimento observado na passagem entre outubro e novembro (+4,6 pontos). A piora, no entanto, não foi suficiente para interromper o processo de melhora do índice observado ao longo de 2019 no Estado do Rio de Janeiro. No último mês do ano, o índice atingiu valor igual a 83,8 pontos.

Em 2019, o índice registrou crescimento igual a 16,5% na variação acumulada em 12 meses e que foi encerrada em dezembro. Todos os itens que compõem o índice registram crescimento positivo na mesma comparação.

Na passagem entre novembro e dezembro, todos os itens registraram queda, com exceção do item momentos para duráveis (+2,6 pontos), que registrou o quinto aumento consecutivo, influenciado pela queda da taxa de juros paga pelo consumidor final.

Para o diretor do Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (Ifec-RJ), João Gomes, a partir de janeiro, a recuperação da confiança pode ganhar força.

"O Estado do Rio de Janeiro contará com o estímulo à demanda privada decorrente da queda da taxa de juros e dependerá mais fortemente da maneira como o estado e os municípios enfrentarão seus graves problemas orçamentários", ressalta o diretor do Instituto, ligado à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro.

Os efeitos expansionistas da liberação dos recursos do PIS-Pasep e do FTGS deverão se concentrar no último trimestre de 2019, já que os saques foram liberados entre setembro e dezembro do ano que passou. Segundo dados divulgados pelo Banco Central, estima-se que apenas R$ 3,6 bilhões sejam adicionados à economia brasileira no primeiro trimestre de 2020 (contra R$ 28,3 bilhões no terceiro e quarto trimestre de 2019).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor