Confiança de consumidores de cartão bancário da China se recupera em março

Internacional / 12:21 - 11 de abr de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A confiança dos consumidores da China se recuperou em março, pois os usuários de cartão bancário gastaram mais em hotéis, entretenimento, transporte, serviços médicos e educação, mostrou nesta segunda-feira um indicador. O Índice de Confiança dos Consumidores de Cartões Bancários (BCCI, na sigla em inglês), compilado pela Agência de Notícias Xinhua e a associação nacional de cartão bancário China UnionPay, subiu 0,49 em relação a fevereiro para 81,08 no mês passado, revertendo uma queda mensal de 1,67 registrada em fevereiro. Uma leitura mais alta do indicador mostra aumento na vontade dos consumidores sobre as despesas. Relatório divulgado junto com o BCCI atribuiu a recuperação ao consumo crescente das necessidades diárias. O consumo em hotéis, gasolina e bilhetes ferroviários em março subiu 28,8%, 28,7% e 51,6% ante fevereiro, respectivamente. O consumo de aparelhos domésticos aumentou 24,6% mensalmente em março, apoiando pelo aquecimento gradual do mercado imobiliário. O documento previu que a confiança dos consumidores deve subir firmemente, estimulada por leituras positivas do Índice Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) em março e uma volta de políticas governamentais para assegurar o crescimento econômico. Os dados oficiais demonstraram que o PMI da China para o setor de manufatura cresceu 1,2% em termos mensais, chegando a 50,2 em março. A China decidiu no mês passado expandir o programa piloto do imposto sobre o valor agregado (VAT, na sigla em inglês) para todas as indústrias, a fim de aprofundar a reforma fiscal e tributária do país. Também em março, o banco central e o regulador bancário emitiram as diretrizes esboçando as medidas, que podem incentivar o consumo nas áreas promissores, tais como o serviço de saúde. O BCCI, publicado em abril de 2009 pela primeira vez, é baseado nos dados das transações de cartão bancário e análises das mudanças no consumo urbano. Fim Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor